Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

22 de novembro de 2010

Grand Funk Railroad - Discografia.

No final dos anos 60, milhares de jovens foram influenciados pelos maravilhosos power-trios tão em voga na época. Cream e o The Jimi Hendrix Experience, eram os melhores também para um grupo de jovens nascidos em Flint, Michigan. A diferença é que esses jovens também ouviam muito rádio, que tocava coisas da Motown e o soul de Memphis. A mistura dessas tão distintas influências gerou o maior trio que a América teve o orgulho de parir – O Grand Funk Railroad. 

O Surgimento.

O Estado De Michigan, nos EUA, foi o berço das maiores bandas de garagem da América. O famoso “som de Detroit”, e seus arredores como Saginaw e Flint, ficou caracterizado pela incrível agressividade, força e volume que suas bandas nativas geravam. Exemplos como The Stooges, The MC5, Ted Nugent’s Amboy Dukes, Bob Seger System, Cactus e Alice Cooper, mostram que Detroit era a “capital nacional do som de garagem” em contrapartida ao som lento e viajante da costa Oeste, vide a psicodelia de São Francisco. 

Em 1964, foi criado o “Jazz Masters” em Flint. Liderada pelo baterista Don Brewer, a banda foi fazendo muito barulho pelos clubes e escolas da região, até aparecer na vida deles em 1967, Terry Knight, que era um pouco de tudo; cantor, disc jóquei e empresário. Agora batizada de “Terry and The Pack”, a banda gravou uma versão em compacto para “I Who Have Nothing” de Ben E. King que alcançou uma modesta 46o colocação nas paradas de sucesso. O problema é que Terry cantava muito mal, e a solução foi fazer com que o guitarrista do grupo, Mark Farner, assumisse também a função de vocalista. Terry ficou magoado e abandonou o grupo, se lançando numa pra lá de fracassada carreira solo. O grupo agora se chamava ”The Pack” e contava com Don Brewer (bateria), Mark Farner (guitarra e vocais), Craig Frost (teclados) e Rod Lester (baixo). 

Terry pede para voltar e novas mudanças acontecem; Frost e Lester são dispensados, eles apostam todas suas fichas no poderoso formato “power-trio”, chamando Mel Schacher, um antigo colega de escola de Mark, para o baixo. Em homenagem a famosa estrada de ferro que ligava Michigan a Ontário chamada “Grand Trunk and Western Railway”, o “The Pack” passa a se chamar “Grand Funk Railroad” em março de 1969.  

A Estreia.

 O astuto Terry Knight descola para “seus meninos” uma ponta como banda de abertura do Atlanta Pop Festival em 4 de julho de 1969. Sem nenhum disco lançado, os garotos do GFR não tinham nada a perder. Era a maior oportunidade de suas vidas; imaginem só, três moleques dividindo o palco com Led Zeppelin, Johnny Winter e Janis Joplin, diante de uma audiência de mais de 180.000 pessoas! A banda se apresentou de graça e roubou completamente o show. Eram três dias de festival, e a performance de estreia foi tão avassaladora, que no último dia de festival a banda foi promovida a headliner. De boca em boca, o até então desconhecido trio passou a ser falado por toda América. Vale lembrar que Mark Farner considera esse o melhor momento do GFR, foi quando eles se tornaram da noite para o dia, os novos heróis do rock pesado. 

É lógico que com toda essa falação ao redor do grupo, a Capitol Records caiu matando e ofereceu um tentador contrato para a banda, lançando apenas três semanas após o festival o primeiro single, “Time Machine”, pela nova estampa.

Finalmente é lançado em 25 de agosto de 1969, “On Time”, primeiro álbum do trio, que se por um lado foi malhado pela crítica, por outro, foi um verdadeiro sucesso nacional. A turnê de promoção do disco foi no mínimo histórica. Em todos locais onde a banda passava a recepção do público era parecida com a do festival em Atlanta. No Fillmore East de Nova Yorque, apenas duas semanas com “On Time” nas lojas, a plateia já pedia por suas músicas preferidas do álbum. 

GFR & Led Zeppelin.

A maior prova da força e poder das apresentações do GFR, foi a turnê em que eles abriram para o Led Zeppelin. No Detroit’s Olympia Stadium, a reação da plateia foi tão intensa durante a execução de “Inside Lookin’ Out” que o truculento Peter Grant (encrenqueiro empresário do Led), desligou a energia elétrica, impedindo que o Grand Funk terminasse a canção. Como se isso não bastasse, ele agarrou Terry Knight pelo pescoço e ordenou que a banda fosse retirada do palco imediatamente. O esperto Terry calmamente caminhou para o meio do palco, acenou para que a banda parasse de tocar, e soltou no microfone: 

- "O Led Zeppelin está com medo do Grand Funk Railroad!" 

A plateia começou a vaiar, e a banda deixou o palco, ovacionada pelo público. Quando o Led Zeppelin subiu para fazer seu show, metade do estádio tinha ido embora. Algo semelhante aconteceu no show de Cleveland, e o Grand Funk foi “despedido” da tour, nunca mais sendo convocado para tocar no mesmo festival que o Led Zeppelin. Genial. 

Barulho Vermelho.

Em dezembro de 1969 é lançado o segundo álbum intitulado simplesmente “Grand Funk”. Absurdamente pesado, o disco definiu o tão famoso “Grand Funk Sound”, levando a banda a um nível único dentro do rock pesado. A produção era cuidadosamente crua e rústica, e até hoje, o “disco vermelho” é considerado pelos fãs, como uma das melhores coisas que o trio já fez. Um mês após o lançamento, o álbum já está no 11o posto das paradas americanas e assim como “On Time” também se tornou disco de ouro nos EUA; o que não fez mudar a opinião dos críticos, que continuavam descendo a lenha no conjunto. Já para os fãs, a América já tinha um power trio à altura dos britânicos do Cream. Nessa época, o baixo de Mel Schacher passa a ter um som único; fruto de muito estudo ao lado do produtor Terry Knight, eles conseguem um potente som distorcido para o instrumento. Muitos falantes estourados depois, a “West Amplifiers” constrói especialmente para Schacher modelos exclusivos, os únicos que conseguem segurar o pique do grupo. 

A banda se lança numa turnê de 97 shows por todo o continente. Abrem shows para Ten Years After, Joe Cocker e Fleetwood Mac, e continuam roubando o espetáculo com seu show cheio de raça, energia e juventude. Ao vivo, a banda se jogava em cena como se fosse a última vez que fossem pegar num instrumento. Essa foi uma característica definitiva na carreira da banda, que durou até os seus últimos shows. Mark é o mestre de cerimônias; canta, toca e dança por todo o palco. Don massacra seu kit de bateria, canta e levanta todo mundo aos berros: ”_I want to take your higher!” Já Mel segura a bronca com um peso absurdo, criando um groove único dentro do rock. 

“Closer to Home” é lançado em junho de 1970, e vai direto para o 6o lugar nas paradas. O álbum traz uma produção mais pomposa, contanto também com composições mais sofisticadas de Farner. O som cru de antes, agora aparece em novo formato; com piano, guitarras acústicas, percussão e até arranjos com orquestra! A temática das letras também muda, girando sempre em torno da preocupação da banda com problemas ecológicos e ambientais. O sucesso com o público só aumenta, e o álbum também ganha disco de ouro, o 3o consecutivo. No ano de 1970 ninguém vendeu mais discos na América do que o Grand Funk Railroad. No embalo do sucesso, em novembro lançam o duplo ao vivo “Live Album”, que funcionava como registro daquela histórica tour. Nada mal, 3 discos por ano era uma grande média para a banda, e “Live Album” também ganhava ouro, mesmo antes de ser lançado. Pouco depois já se tornava disco duplo de platina vendendo 2 milhões de cópias. O formato “live” era o habitat natural da banda, e toda aquela genial performance foi transposta para o vinil. 

Em agradecimento aos fãs, Terry coloca um imenso outdoor com o rosto dos três em pleno Times Square de Nova Iorque. 

Banda do Povo.

Em abril de 1971 lançam “Survival” que trazia o clima da capa para dentro das músicas, simplesmente cavernoso! (no bom sentido é claro). Discos de ouro já eram rotina, e dessa vez o disco chega a 5o nas paradas. Talvez a capa mais marcante da banda, onde os três apareciam como homem das cavernas. A contra capa do LP, trazia um texto assinado por Terry, onde ele dizia sobre o nascimento de um bebê durante um show da banda; o mais bizarro é o fato do bebê ter sido batizado de “Grand Funk Railroad”! Mais tarde, Mark afirmou nunca ter sido apresentado à criança, e que tudo não passava de um fruto da forte imaginação de Terry. Mesmo com todo o “barulho” por conta dos fãs do grupo, a crítica continua a ignorá-los. Prova maior disso, foi a fracassada coletiva para a imprensa organizada por Terry. O empresário alugou um famoso hotel de Nova Yorque para a ocasião e convidou os 150 jornalistas mais famosos dos EUA. Apenas seis apareceram! Isso só confirmava a imagem de “banda do povo” que o Grand Funk alimentava. 

A turnê seguinte, tendo o Humble Pie como banda de abertura, foi das mais bem sucedidas; dessa vez, o velho continente foi conquistado. Ingressos esgotados, estádios lotados, e fãs alucinados. Esse era o dia a dia do Grand Funk Railroad. No Hyde Park em Londres, a banda se apresenta como headliner com um público de mais de 100.000 pessoas. 

Shea Stadium.

A volta para a América não poderia ter sido melhor - para o show do Shea Stadium em Nova Yorque, os 55.000 ingressos se esgotam em míseras 72 horas! O recorde anterior pertencia a ninguém menos que os Beatles, que venderam o mesmo número de ingressos só que em 80 dias!
Depois de tanto barulho, finalmente a banda tira seis semanas de folga, e logo começam a se preparar para o próximo disco. 

O melhor ainda estava por vir, e em novembro de 1971, começaram gravar o seu melhor trabalho, “E Pluribus Funk”. Logo de cara a capa já surpreendia. O LP vinha embalado dentro de uma luxuosa moeda prateada com o rosto do trio. Um mês após o lançamento, o disco alcança o 5o posto das paradas, onde fica por mais 30 semanas consecutivas. “O disco da moeda”, como ficou conhecido aqui no Brasil, foi gravado em apenas cinco dias - o que refletiu diretamente no pique das composições, dessa vez todas assinadas por Farner. Mais uma bem sucedida turnê européia é realizada, tendo dessa vez o Mott The Hoople como banda de abertura, e para celebrar tanto sucesso, uma compilação dupla com o nome de “Mark, Don & Mel” é lançada em abril de 1972, passando a limpo toda a genial fase que o grupo vinha atravessando.  

Terry se preocupava mais com a postura e com o visual, do que com o som. Essa “mania”, incomodava os garotos da banda, que desconfiados acabaram despedindo Terry Knight, acusando-o de mau gerenciamento nos negócios. A verdade é que Terry “sufocava” a banda, criando uma série de imposições desnecessárias, ditando desde o que eles deveriam vestir, até o que deveriam fazer nos concertos. A separação não é nada amigável, e começa a rolar uma série de processos e ofensas pessoais, entre a banda e Terry. 

Bad Time.

Toda a crise interna que a banda vinha atravessando reflete no próximo álbum, “Phoenix” lançado em setembro de 1972. Gravado em Nashville, o disco trazia muitas mudanças; a começar pelo nome, que agora é reduzido somente a “Grand Funk”. O antigo tecladista do “The Pack” - Graig Frost - aparece como convidado no álbum, e logo seria efetivado como o 4o membro da banda. Todos os temas são mais voltados para os teclados, Brewer começa a compor e a cantar mais também; acrescentando um estilo mais pop do que o de Farner. O baixo não soa mais como um trator, e uma certa melancolia gira em torno das músicas. Além do que, é a primeira vez que a banda se auto-produz no estúdio. Apesar de toda confusão, emplacam o single “Rock N’ Roll Soul”, que era a única canção “100% Grand Funk” do disco. Na estrada, a tour começou mal das pernas. No primeiro show em Seattle, apenas 4.000 fãs apareceram - em se tratando de uma banda que se apresentava com frequência para um público de 50.000 por noite - era muito pouco. Para piorar ainda mais a situação, no show do Madison Square Garden em NY, Terry Knight apareceu escoltado por xerifes e policiais para confiscar todo o equipamento da banda. A verdade é que todo esse equipamento foi adquirido no nome de Terry mesmo, e a apreensão foi inevitável. Assim que terminou o espetáculo, a banda se viu numa situação constrangedora - todo o equipamento - as guitarras, a bateria, amplificadores e PA’s foram levados por Terry! 

O Voô da Fênix.

O ano de 1973, se tornaria o mais importante para a banda. No mês de julho é lançado ”We’re An American Band” produzido por Todd Rundgreen. O disco vai direto para o 2o lugar nas paradas, e a faixa título, por sinal um verdadeiro arrasa quarteirão cantado por Brewer, alcança a 1o posição, se tornando o maior hit da banda. Pela primeira vez conseguem elogios da crítica, talvez pelo novo formato mais comercialmente acessível das novas composições. Nessa época foi criado o famoso logo com “a mão apontando o dedo”, que se torna uma verdadeira marca do Grand Funk Rairoad. A banda tinha muito orgulho de ser considerada nesse ponto de sua carreira, a única resposta “genuinamente americana” ao sucesso das bandas inglesas, tais como o Led Zeppelin, o Deep Purple e o Black Sabbath. A turnê que promovia o disco colocou a América de quatro, com ingressos esgotados e fãs enlouquecidos. O novo palco trazia uma inovação para a época, um imenso telão que passava trechos pré-gravados da banda em estúdio, ou simplesmente se divertindo. O que pouca gente sabe, é que durante essa tour, a banda foi convidada para vir tocar no Brasil, o que infelizmente não aconteceu devido a compromissos com a gravação do disco seguinte. 

Aproveitando o embalo, Todd ainda produz mais um álbum; “Shinin’ On” de março de 1974. Dessa vez a banda optou por construir um estúdio no rancho de Mark Farner, trazendo um sentimento mais “Closer to Home” para as gravações. A capa mostrava um novo e sensacional visual em 3D inspirado na onda do Glam rock, fora isso, de brinde, um óculos 3D acompanhava a bolacha. Musicalmente, Brewer e Frost marcam presença de forma definitiva no álbum; Brewer cantando e compondo várias canções, e Frost “temperando” tudo com seu órgão Hammond. A regravação de “The Locomotion” (autoria de Carole King, mas gravada por Litlle Eva), se torna o chamariz, chegando também ao 1o lugar das paradas. 

O álbum “All the Girls In the World Beware”, de dezembro de 1974, traz muita influência soul. A capa, trazia uma montagem de gosto duvidoso. O rosto dos integrantes era sobreposto num corpo de campeões de fisiculturismo, fazendo uma alusão ao título do disco. Na parte musical, o som pesado de antigamente não se faz mais presente, e muitos metais dão o tom da nova fase vivida pelo Grand Funk. “Bad Time” se tornou a música mais tocada em 1975; e o disco foi o 10o consecutivo a ganhar ouro. Nessa época uma histórica homenagem foi concebida a banda pela RIAA (Record Industry Association of América), que presenteou o grupo com nada menos que 10 discos de platina pelos seus trabalhos anteriores. A tour de promoção do disco gerou o 2o registro ao vivo da banda “Caught in the Act”, que mostrava que ao vivo, o Grand Funk ainda continuava sendo uma das grandes bandas do rock pesado. 

Após anos de convívio, os integrantes esgotados querem parar; só que antes lançam o pouco inspirado “Born To Die” em janeiro de 1976, que é considerado o pior disco da banda. Uma breve audição no álbum já é o bastante para sentir que o clima entre eles não era dos melhores. 

A Despedida.

Em agosto do mesmo ano é lançado “Good Singin’ Good Playin’”, produzido pelo gênio Frank Zappa. Muito mais “pra cima” do que o anterior, o disco funciona como uma bela despedida. Zappa deu a eles uma preciosa credibilidade artística, além de criar um ótimo clima para as novas composições. Depois de dois anos afastados dos palcos, o grupo planejou uma grande tour mundial para promover o disco. Em níveis comerciais, o álbum foi um fracasso, atingindo a modesta 52o posição, “brochando” não só a banda, mas também Zappa, a gravadora, e todos os que apostavam no projeto. A disco music tomava conta do mercado e o Grand Funk já não interessava mais ao grande público. Dois meses depois toda a turnê de promoção é cancelada, e em outubro é decretado o fim da banda. 

Após a separação, Don, Mel e Craig formam o “Flint”, que lançou um álbum homônimo pela Columbia, em janeiro de 1978. O disco trazia participações de Frank Zappa e Todd Rundgreen, e comercialmente também foi um grande fracasso. A banda chegou a gravar um segundo disco chamado “Layin’ It On The Line” que nunca foi lançado. Do lado comercial da coisa, Mark Farner se deu um pouco melhor e lançou dois álbuns pela Atlantic: ”Mark Farner” de 1977 e “No Frills” de 1978. 

Grand Funk Lives.

O ano de 1981 marcou a volta do Grand Funk com Mark, Don e Dennis Bellinger, assumindo o lugar de Mel no baixo (o baixista original não topou a volta, pois tinha verdadeiro pavor de voar de avião). A banda é convidada para participar da trilha do filme desenho “Heavy Metal – Universo e Fantasia”, e logo em julho lança “Grand Funk Lives”, que apesar de todas as dificuldades, ainda traz a banda mostrando muita vontade e entrosamento no estúdio. O grupo seguiu em turnê pela América abrindo para o ZZ Top. “Grand Funk Lives” foi um tremendo sucesso na Venezuela! E em 1982, a banda se apresentou em Caracas num gigantesco estádio de futebol para milhares de alucinados fãs venezuelanos do grupo. 

Em janeiro de 1983 é lançado “What’s Funk”, álbum que trazia a sonoridade do grupo para os anos 80, com bateria eletrônica e sintetizadores! Infelizmente o álbum era muito fraco e não emplaca. Para piorar, a Warner, que lançava os discos do grupo nessa altura, acaba despedindo o grupo. Não era uma época propícia para a reunião da banda, e o fim é inevitável. 

Bad Times Again.

Com o fim da banda, tanto Mark como Don acabam passando por maus bocados. Mark enfrenta uma série de problemas particulares, culminando com a separação de sua esposa Liesa. Mark também perdeu a guarda de seus dois filhos, e começou a beber muito nessa época. Don atravessava graves problemas financeiros, que foram rapidamente resolvidos graças a Bob Seger, que o convida para integrar sua banda. Don fez várias turnês, e se divertiu bastante tocando com Bob. 

Na segunda metade dos anos oitenta, Mark se recupera, se torna pastor cristão, e lança três discos nessa praia entre os anos de 1988 e 1992. Em 1995 ele é convidado por Ringo Starr a integrar sua All Star Band, e sai em turnê junto com um super time que contava com John Entwistle, Randy Bachman, Felix Cavaliere e Billy Preston. 

Uma Causa Nobre.

O ano de 1996 marcou a volta da formação original, ou seja, Mark, Don e Mel, exatos 20 anos depois da separação. A ideia não poderia ter sido melhor aproveitada - uma sensacional volta que arrecadaria fundos em benefício aos desamparados da guerra da Bósnia. O novo show trazia um fenomenal repertório que passava a limpo toda a carreira da banda, e ainda por cima, o trio era acompanhado por uma orquestra completa! A nova tour de volta foi um enorme sucesso, e tinha como convidados Peter Frampton e Leslie West nas guitarras. No ano seguinte (1997), é lançado o duplo ao vivo “Bosnia”, que captava toda a vibração e emoção que tinha sido aquela genial turnê. 

Um luxuoso Box é lançado em 1999 com o nome de “30 Years of Funk 1969-1999”. Em 3 cd’s estavam perfilados todos os hits remasterizados, 3 novas músicas inéditas gravadas especialmente para a ocasião, sobras de estúdio e muito material inédito. 

Atualmente Mark já não faz mais parte da banda, que ainda excursiona com Don e Mel. Três novos integrantes foram chamados para suprir a falta de Mark, que era o guitarrista, vocalista, principal compositor e front-man do Grand Funk. O jeito é curtir o lançamento de “Live The 1971 Tour” que traz o trio no auge de sua forma e exuberância. O que mais chama atenção, são as gravações do histórico show no Shea Stadium contidas nesse álbum. Imperdível. 

Dignas de muita nota são também as reedições em CD de 12 discos originais do grupo. Um Box contendo os quatro primeiros discos da banda também foi lançado. Vale lembrar que muitos desses álbuns saíram pela primeira vez no mercado ocidental, visto que somente estavam disponíveis apenas em versões japonesas. 

Altos e baixos; sucesso, processos, religião, separações, reuniões, e muito sexo, drogas e rock n’ roll estão encarnados na história do Grand Funk Railroad. O que não muda nunca, é que eles sempre serão “A Banda” americana. Texto: Bento Araújo (Whiplash). 

Integrantes.

Formação Original.

Mark Farner (Vocal e Guitarra, 1969-1976, 1981-1983, 1996-1998)
Don Brewer (Bateria e Vocal, 1969-1976, 1981-1983, 1996)
Mel Schacher (Baixo, 1969-1976, 1996)
Craig Frost (Teclados, Vocais, 1972-1976)
 

Outros. 

Dennis Bellinger (Baixo, 1981-1983)
Howard Eddy, Jr. (Teclados, 1996-1998)
Max Carl (Vocais, Guitarra, 2000)
Tim Cashion (Teclados, 2000)
Bruce Kulick (Guitarra, 2000)
 

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro



Álbuns.

On Time (1969)
 
01. Are You Ready
02. Anybody’s Answer
03. Time Machine
04. High On A Horse
05. T.N.U.C.
06. Into The Sun
07. Heartbreaker
08. Call Yourself A Man
09. Can’t Be Too Long
10. Ups And Downs


Grand Funk “Red Album” (1970)
 
01. Got This Thing On The Move
02. Please Don’t Worry
03. High Falootin’ Woman
04. Mr. Limousine Driver
05. In Need
06. Winter And My Soul
07. Paranoid
08. Inside Looking Out


Live Album (1970)
 
CD 1.

01. Introduction
02. Are You Ready
03. Paranoid
04. In Need
05. Heartbreaker
06. Inside Looking Out

CD 2.

01. Words Of Wisdom
02. Mean Mistreater
03. Mark Say's Alright
04. T.N.U.C.
05. Into The Sun


Closer to Home (1970)
 
01. Sin’s A Good Man’s Brother
02. Aimless Lady
03. Nothing Is The Same
04. Mean Mistreater
05. Get It Together
06. I Don’t Have To Sing The Blues
07. Hooked On Love
08. I’m Your Captain (Closer To Home)


Survival (1971)
 
01. Country Road
02. All You’ve Got Is Money
03. Comfort Me
04. Feelin’ Alright
05. I Want Freedom
06. I Can Feel Him In The Morning
07. Gimme Shelter


University of Hawaii, July 12th 1971 (Bootleg)
 
01. Are You Ready
02. Paranoid
03. In Need
04. Mean Mistreater
05. I’m Your Captain
06. Hooked On Love
07. Get It Together


Live at Osaka Stadium, Osaka, Japan, 18.07.1971 (Bootleg)
 
01. Opening - Are You Ready
02. Paranoid
03. In Need
04. Heartbreaker
05. Mark Say's Alright - T.N.U.C
06. Inside Looking Out - Ending


E Pluribus Funk (1972)
 
01. Footstompin’ Music
02. People, Let’s Stop The War
03. Upsetter
04. I Come Tumblin’
05. Save The Land
06. No Lies
07. Loneliness


Mark, Don & Mel (Coletânea 1972)
 
CD 1.

01. Time Machine
02. Into The Sun
03. Heartbreraker
04. Feelin' Alright
05. Footstompin' Music
06. Paranoid
07. Loneliness

CD 2.

01. Are You Ready
02. Mean Mistreater
03. T.N.U.C.
04. Inside Looking Out
05. Closer To Home


Phoenix (1972)
 
01. Flight Of The Phoenix
02. Trying To Get Away
03. Someone
04. She Got To Move Me
05. Rain Keeps Fallin’
06. I Just Gotta Know
07. So You Won’t Have To Die
08. Freedom Is For Children
09. Gotta Find Me A Better Day
10. Rock & Roll Soul


We’re An American Band (1973)
 
01. We’re An American Band
02. Stop Lookin’ Back
03. Creepin’
04. Black Licorice
05. The Railroad
06. Ain’t Got Nobody
07. Walk Like A Man (You Can Call Me Your Man)
08. Loneliest Rider


Shinin’ On (1974)
 
01. Shinin’ On
02. To Get Back In
03. The Loco-Motion
04. Carry Me Through
05. Please Me
06. Mr. Pretty Boy
07. Gettin’ Over You
08. Little Johnny Hooker


All The Girls In The World Beware!!! (1974)
 
01. Responsibility
02. Runnin’
03. Life
04. Look At Granny Run Run
05. Memories
06. All The Girls In The World
07. Wild
08. Good & Evil
09. Bad Time
10. Some Kind Of Wonderful


The Forum, Los Angeles, California (Bootleg 1974)
 
01. Footstomping Music
02. Rock-N-Roll Soul
03. Heartbreaker
04. Shinin’ On
05. The Loco-Motion
06. We’re An American Band
07. T.N.U.C.
08. Inside Looking Out


Caught In The Act (Live 1975)
 
01. Intro: Footstompin’ Music
02. Rock & Roll Soul
03. Closer To Home
04. Heartbreaker
05. Some Kind Of Wonderful
06. Shinin’ On
07. The Loco-Motion
08. Black Licorice
09. The Railroad
10. We’re An American Band
11. T.N.U.C.
12. Inside Looking Out
13. Gimme Shelter


Born To Die (1976)
 
01. Born To Die
02. Dues
03. Sally
04. I Fell For Your Love
05. Talk To The People
06. Take Me
07. Genevieve
08. Love Is Dyin’
09. Politician
10. Good Things
Bonus Tracks (Live Rehearsal)
11.  Bare Naked Woman
12. Genevieve


Good Singin’, Good Playin’ (1976)
 
01. Just Couldn’t Wait
02. Can You Do It
03. Pass It Around
04. Don’t Let ‘Em Take Your Gun
05. Miss My Baby
06. Big Buns
07. Out To Get You
08. Crossfire
09. 1976
10. Release Your Love
11. Goin’ For The Pastor
12. Rubberneck (Previously Unreleased, Bonus Track)


Grand Funk Lives (1982)
 
01. Good Times
02. Queen Bee
03. Testify
04. Can’t Be With You Tonight
05. No Reason Why
06. We Gotta Get Out Of This Place
07. Y. O. U.
08. Stuck In The Middle
09. Greed Of Man
10. Wait For Me


Locomotion '82 (Bootleg 1982)
 
Recorded Live at Budokan, Tokyo, Japan on September 06, 1982.

CD 1.

01. Footstmpin' Music
02. Paranoid
03. No Reason Why
04. Queen Bee
05. Closer To Home
06. Heartbreaker
07. Mean Mistreater
08. We're An American Band
09. T.N.U.C.
10. Inside Looking Out

CD 2.

01. Locomotion
02. Gimme Shelter
03. We God Get Out 
Recorded Live at Budokan, University of Hawaii in 1970.
04. Are You Ready
05. Paranoid
06. In Need
07. Mean Mistreater
08. Closer To Home


What’s Funk (1983)
 
01. Rock & Roll American Style
02. Nowhere To Run
03. Innocent
04. Still Waitin’
05. Borderline
6. El Salvador
07. It’s A Man’s World
08. I’m So True
09. Don’t Lie To Me
10. Life In Outer Space


Collectors Series (Coletânea 1991)
 
01. Time Machine
02. Heartbreaker
03. Inside Looking Out
04. Closer To Home/I’m Your Captain
05. Mean Mistreater
06. Feelin’ Alright
07. Gimme Shelter
08. Footstompin’ Music
09. Rock & Roll Soul
10. We’re An American Band
11. Walk Like A Man (You Can Call Me Your Man)
12. The Loco Motion
13. Shinin’ On
14. Some Kind Of Wonderful
15. Bad Time


Bosnia (1997)
 
CD 1.

01. 2001: A Space Odyssey
02. Are You Ready
03. Rock & Roll Soul
04. Footstompin’ Music
05. Time Machine
06. Medley:
Paranoid
Sin’s A Good Man’s Brother
Mr. Limousine Driver

07. Heartbreaker
08. Aimless Lady
09. T.N.U.C.
10. Inside Looking Out
11. Shinin’ On
12. The Loco Motion
13. We’re an American Band

CD 2.

01. Overture
02. Mean Mistreater
03. Some Kind of Wonderful
04. To Get Back In
05. Bad Time
06. I’m Your Captain/Closer to Home
07. Loneliness


Thirty Years Of Funk: The Anthology, 1969-1999 (Coletânea 1999)
 
CD 1.

01. Getting Into The Sun (The Pack)
02. Can’t Be Too Long (Faucet) (The Pack)
03. Got This Thing On The Move (Mono) (The Pack)
03. Time Machine
04. High On A Horse
05. Mr. Limousine Driver
06. Sin’s A Good Man’s Brother
07. Aimless Lady
08. Mean Mistreater
09. I’m Your Captain / Closer To Home
10. Are You Ready (Live)
11. Paranoid (Live)
12. Inside Looking Out (Live 16 Minute Version)

CD 2.

01. Feelin’ Alright
02. Gimme Shelter
03. I Can Feel Him In The Morning
04. I Can’t Get Along With Society *
05. Upsetter
06. Loneliness
07. Trying To Get Away
08. Walk Like A Man
09. Creepin’
10. We’re An American Band
11. Hooray
12. The End
13. To Get Back In
14. Destitute & Losin’

CD 3.

01. Shinin’ On
02. The Loco-Motion
03. Some Kind Of Wonderful
04. Bad Time
05. Footstompin’ Music (Live)
06. Rock ‘N Roll Soul (Live)
07. Heartbreaker (Live)
08. Take Me
09. Sally
10. Love Is Dyin’
11. Can You Do It
12. Pass It Around
13. Crossfire
14. Queen Bee
15. We Gotta Get Out Of This Place (Live)
16. Pay Attention To Me
17. All I Do
18. In The Long Run


Live: The 1971 Tour (2002)
 
01. Intro
02. Are You Ready
03. Footstompin’ Music
04. Paranoid
05. I’m Your Captain/Closer To Home
06. Hooked On Love
07. Get It Together
08. T.N.U.C
09. Inside Looking Out
10. Gimme Shelter
11. Into The Sun
 


New Era Live (Bootleg 2006/2009)
 
01. Foot Stompin Music
02. Rock ‘n’ Roll Soul
03. Closer To Home (I’m Your Captain)
04. Inside Looking Out
05. Locomotion
06. Shinin’ On
07. Sky High
08. Some kind of wonderful
09. We’re An American Band


Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro

E-mail de contato para links quebrados ou outros problemas: murodoclassicrock@gmail.com

Antes de comentar leia as regras que estão próximas do formulário, comentários desrespeitando as mesmas, não serão publicados e nem atendidos.

46 comentários :

  1. Fala parceiro!!! assim como você, também sou aficcionado pelo pelo bom e velho rock!!!! E o Grand Funk eu descobri por acaso e me surpreendi!!! "ROCKÃO" CLÁSSICO!!!! Acho que essa garotada mais nova deveria se espelhar nestas bandas!!! um abração!!!!! Gustavo Brozoski

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso nao é rock nao velho, pela batida repetitiva da bateria e o baixo magnifico de jazz, isso é funk.A unica coisa que faz a banda parecer rock n roll é a guitarra, que tem estilo funk nas batidas, porem nos solos é bem rock n roll.
      Abraço, me corrija se eu estiver errado

      Excluir
  2. Se toda gurizada que quer formar banda se inspirasse em bandas das antigas,a musica não estaria do jeito que está hoje :(
    Abraço ae Alex...

    ResponderExcluir
  3. Pô meu irmão falar desta Banda é simplesmente o âpice da felicidade, Grand Funk é a banda a ser seguida por todos jovens que queriam se espelhar no verdadeiro Rock Pauleira crú, o incrível é saber que 03 carinhas tiram um puta som e esse som é simples,completo,indireto e direto, dá prá entender, não. Então parceiro, tasca Grand Funk na vitrola e descubra o que eu disse. no mais, Fui..............................

    ResponderExcluir
  4. Marco Aurélio - Muriaé - MG26/05/2011 17:33

    Essa banda é pedrada, sonzeira.
    Duvido se alguém tem coragem de ouvir a 1ª faixa do album closer to home no volume máximo.
    É uma porrada nos ouvidos.
    É uma das minhas 05 bandas favoritas.
    Mais uma vez,valeu Alex!!!!

    ResponderExcluir
  5. simplesmente umas das melhores bandas de HR
    da historia
    obrigatoria para todos os fans de rock

    vlw ae muro
    melhor site do bom e velho rock da net

    parabens

    ResponderExcluir
  6. Parebéns bicho, grande trabalho!
    Muitas das bandas que eu gosto muito eu baixei daqui, Grandfunk foi uma delas e hoje sou fãzaço! valeu, cara!!!

    ResponderExcluir
  7. Marcos Lima13/08/2011 18:30

    Mais uma ótima banda de Rock Roll na Veia, muito clássica, sonzeira total, eu comparo eles ao Led americano, Rock Progressive Psycodelic nas Veias, Toca maluco, toca. Muito Obrigado. Olhem Tem uma banda atual chamada Wolfmother que com certeza tem o Grand Funk como Inspiração, ouçam tambem. Rock Forever!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara procurei e achei a banda Wolfmother, realmente o som é muito bom e também tenho certeza que beberam na fonte do GFR.
      Long live rock´n roll

      Excluir
  8. Amazing blog with superb posts here!
    Thank you very much brother!

    ResponderExcluir
  9. o som deles é d+

    vlw pelo post =D

    ResponderExcluir
  10. ótima banda. ótimo post! Obrigado!

    ResponderExcluir
  11. A melhor banda dos Estados Unidos, muito foda.
    Valeu pela Zonzeiraaaaa...

    ResponderExcluir
  12. Mais uma vez meus parabéns pelos bons serviços prestados ao Rock and Roll.
    Eu sempre gostei de ter os Discos em casa, tenho uma boa coleção, mas os preços e os catálogos das gravadoras não deixam termos tudo o que queremos, e o seu Blog é uma maravilha no mundo do Rock, nos permite conhecer muitos e bons sons, Obrigado.

    ResponderExcluir
  13. Grande Som, Valeu cara, obrigado por tudo, altamente Rock and Roll!

    ResponderExcluir
  14. Tipico som setentista, destaque para o vocal de Mark Farner, embora a cozinha da banda não fique atrás, as linhas de baixo são pulsantes e embora todas as criticas da época acerca da tecnica do baterista Don Brewer joga a favor do time, com seu ritimo contagiante, grande banda.

    ResponderExcluir
  15. Ver Mark Farner tocar ao vivo aqui em Belo Horizonte/MG fez reviver os bons tempos do Grand Funk Railroad com toda certeza!!! O set-list foi só de clássicos do GFR!! Show histórico e memorável para BH!!!

    ResponderExcluir
  16. Wesley Ferraz01/04/2012 14:41

    Obrigado Alex pela maravilhosa discografia!!!

    ResponderExcluir
  17. Conheci Grand Funk pela primeira vez por intermédio de um amigo que achava que eu só ouvia os clássicos "batidos", Led, Purple, Stones, etc. Eu havia montado talvez a primeira banda da cidade a tocar Led, era adolescente e achava o máximo. Ouvi atentamente e gostei, mas achei que ainda dava pra ouvir "exclusivamente" Led, Purple e Stones e Hendrix por mais uns 20 anos, rsrs, mesmo sabendo que havia muita coisa boa por aí. O fato é que essas coisas não são tão fáceis de se achar, ou não eram, com certeza. Agora estou aqui, ouvindo um a um, o primeiro álbum, pela segunda vez, e isso é uma delícia! O Muro é isso aí.

    ResponderExcluir
  18. Conheci Grand Funk Railroad aqui no blog, achei sensacional, excelente trabalho, não deixe o muro cair!!!

    ResponderExcluir
  19. Don Brewer é um dos melhores bateras de todos os tempos!
    Feelin' fodido. Grand Funk é Um dos melhores power-trios da história.

    ResponderExcluir
  20. Grand Funk melhor banda de todos os tempos!!!

    ResponderExcluir
  21. Não conhecia, e adorei! Estou baixando a discografia inteira. Abraços e muito obrigado, Alex!

    ResponderExcluir
  22. bad time, me encanta, pero no se si desde ahora me dara tristeza escucharla. gracias HAN

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. de nada y no te tiene por que dar tristeza

      Excluir
  23. CARO ALEX, VOCÊ MERECE SER CONDECORADO COM UMA MEDALHA OU SEI LÁ, ALGUMA HONRARIA PELO SEU BOM SERVIÇO PRESTADO AO BOM E VELHO ROCK'N'ROLL!!!!

    ResponderExcluir
  24. grand funk é foda e graças a voces vou sacar tudo deles, muito grato. abraço

    ResponderExcluir
  25. cristiano costa08/03/2013 08:36

    Grand Funk, junto com Led e Beatles, as melhores bandas da história!
    Don Brewer, tocando batera e cantando é demais!
    abç a todos!
    Valeu Alex!

    ResponderExcluir
  26. Valeu por disponibiliza essa belezura com a moçada. Grand Funk é FODA.

    ResponderExcluir
  27. puxa vida, só neste ótimo site poderia rever e ouvir Grand Funk..... Aliás, que site, heim .... nossa, categoria !!!

    ResponderExcluir
  28. Tem um som legal, assim como Ramones é legal. Mas querer comparar com Led Zep.... musicalmente, tem um abismo de distância uma da outra. Esse incidente no Detroit's Olympia partiu de uma quebra de acordo do GFR que ultrapassou o horário combinado naturalmente tentando roubar a cena (e o público) da banda principal. Além disso, a acústica do LZ estava simplesmente horrível, pois eles não chegaram com antecedência para fazer as tomadas, sem contar que costumavam tocar bêbados... Tudo associado gerou um desastre. Foi por isso que parte do público foi embora antes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marco Aurélio - Muriaé - MG16/08/2013 10:29

      Cara, sem essa de comparação GFR é GFR e Led é Led. Cada uma delas contribuiu com sua parte na história do eterno Rock and Roll assim como dezenas de outras bandas ao seu modo. A gente tem que parar com essa mania de ficar comparando as bandas. A musica não é uma competição.

      Excluir
    2. Eu não vejo como uma comparação e sim como um fato veridico, quem fez a merda foi o empresário do Led e não os integrantes da banda, em 1969 o Led não tinha muita coisa no seu repertório, era um blues rock calmo e pesado ao mesmo tempo e muitas vezes longos, pois o Led adorava improvisar em suas apresentações ao vivo, já o GFR que fazia abertura dos shows vinha com aquele hard rock explosivo e a banda tinha um grande pique no palco, isso levava o publico ao delirio e Peter Grant vendo isso fez a merda que fez então não cabe a nos comparar as duas bandas, são ótimas!

      Excluir
  29. é a banda preferida pelo HOMER SIMPSON

    ResponderExcluir
  30. alex,já conhecia esta banda desde a infancia,só não conhecia o ao vivo Caught In The Act (1975)disco que na época do vinil,não me despertou vontade de adquiri-lo.mesmo com a disponibilidade de tantos títulos na internet e admirar seu incrível trabalho,ainda tenho muitas saudades da lojas de vinil que se acabaram com a chegada do cd e o mesmo com a internet.gostava de percorrer as lojas em busca das bandas.são os novos tempos,que nos fazem lembrar do passado!

    ResponderExcluir
  31. To numas de ouvir os grandes discos ao vivo de todos os tempos,então vou levar o Caught In The Act. Valeu!

    ResponderExcluir
  32. Sinto-me feliz com está Re-postagem, obrigado

    ResponderExcluir
  33. Daniel Fogliarine07/12/2014 04:00

    Banda sensacional mesmo, muito obrigado por postar!

    ResponderExcluir
  34. Tive a discografia completa desses fodões em vinil. Agora em mp3, obrigado Muro.

    Edson - BH

    ResponderExcluir
  35. gracias por la musica

    ResponderExcluir
  36. Essa banda é pedrada, sonzeira.
    Duvido se alguém tem coragem de ouvir a 1ª faixa do album closer to home no volume máximo.
    É uma porrada nos ouvidos.

    ResponderExcluir
  37. Parabéns, pelo trabalho, camarada. Simplesmente excelente!!!!

    ResponderExcluir
  38. Uma das melhores do planeta valeuuu.

    ResponderExcluir
  39. Maravilloso aporte, mil gracias, fantastico Blog, felicidades amigo...

    ResponderExcluir

Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.