Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

6 de dezembro de 2010

The Yardbirds - Discografia.

Uma das bandas mais pesadas e barulhentas de sua época, The Yardbirds criaram a mentalidade de volume e peso que seria explorado no hard rock da segunda metade da década de sessenta, além de serem um dos precursores do rock psicodélico. The Yardbirds, embora tendo um vocalista com uma voz fanhosa e sem muito carisma, tem nos seus guitarristas carisma de sobra. De fato, o tempo faria o nome Yardbirds sinônimo de grandes guitarristas.

Infelizmente, a banda é mais lembrado hoje em dia, basicamente por ser aquela que nos ofereceu Eric Clapton, Jeff Beck e Jimmy Page, três dos guitarristas mais criativos e importantes da segunda geração do rock.

A história desta banda começa em 1963, quando os Rolling Stones se tornam banda residente no Crawdaddy Club, um clube localizado no longínquo subúrbio de Richmond, apresentando-se lá todo domingo. Inadvertidamente, os Stones tornam-se o olho de um furacão, atraindo um grande número de jovens de várias camadas sociais com sua musica. Entre os vários músicos que mais tarde se tornaram conhecidos, estão Paul Samwell-Smith e Jim McCarty, que juntos formam a cozinha (baixo e bateria) do Metropoliton Blues Quartet, um grupo de blues que tocavam em Norbiton. Eram um quarteto acústico que tocava o blues rural de Robert Johnson e afins. Ao ouvirem os Rolling Stones, logo passaram para instrumentos elétricos.

Paul Samwell-Smith sempre que podia chegava cedo aos shows dos Stones e procurava ajudar Bill Wyman a montar e depois desmontar seu equipamento, conseguindo no processo, algumas dicas sobre o instrumento e o feeling certo para o blues. Paul e Jim acabam conhecendo e convidando outro freqüentador assíduo do Crawdaddy para montar uma banda. Ele se chama Keith Relf, que por sua vez, convida seu colega de sala do Art Collage, Chris Dreja para unir-se ao grupo. Com mais a assistência de um jovem e promissor guitarrista de 16 anos chamado Anthony ‘Top’ Topham, formam em junho de 1963, The Yardbirds.

Paralelamente, outra banda de blues tocava no Marquee Club, em Londres. Era Cyril Davies & the All Stars que entre sets, tinha o habito de permitir jam sessions, que tinham em Jimmy Page, um constante participante. Ao assisti-lo tocar neste período, outro aluno de Art College, um jovem guitarrista de uma banda pouco conhecida, chamado The Roosters, se apresenta a Page como sendo Eric Clapton e faz questão de elogiá-lo. "Você soa como Mathew Murphey", então guitarrista do Memphis Slim, um elogio bem aceito. Quando Cyril Davies veio a falecer no inicio de 1964, Page desencantou com o palco e acabou sendo atraído por um convite de Glyn Johns para se tornar um sessionman, um músico de estúdio, trabalhando em discos alheios, acabando por conseguir boa fama nesta profissão.

O repertório inicial dos Yardbirds passou a espelhar o fascínio pelos Rolling Stones, tocando como eles, basicamente músicas de Bo Diddley, Howlin' Wolf e Jimmy Reed. Fazem isto porém, com a distinta preocupação de tocar versões que não pertencem ao repertório dos Stones. Preocupada em tocar estritamente rhythm & blues, a banda consegue cativar fãs e manter uma certa constância de gigs semanais. Com a crescente demanda para o blues na Inglaterra e consequentemente o aumento de shows que os Yardbirds passam a ter, em outubro de 1963, Top Topham, ainda um garoto, é obrigado pelo pai a deixar a banda para dar mais atenção aos estudos. Os demais membros, todos já com vinte anos, não quiseram influenciar o rapaz e respeitaram sua decisão.

Keith conhecia Eric Clapton do Art College, que a esta altura já havia sido expulso da faculdade por aparecer embriagado à aula. Sua banda, The Roosters, havia acabado, e Clapton foi então parar em setembro junto ao Casey Jones & the Engineers, amargando sua decisão e largando a banda depois de sete gigs. O momento não poderia ser mais propício para Keith convida-lo a entrar.

Pouco depois, The Yardbirds é convidado pelo dono do Crawdaddy, Giorgio Gomelsky, a substituir os Rolling Stones, uma vez que eles estavam agora, deixando de tocar nos clubes menores. Embora ainda puristas e sem estarem totalmente maduros, a banda assume o publico do Crawdaddy, órfão dos Stones e, aos poucos, os transformam em seu público também. Gomelsky, perdendo a oportunidade de empresariar os Rolling Stones, agarra a chance com os Yardbirds. É Gomelsky quem cria o apelido Slowhand para Eric Clapton, como também é ele que cria o famoso slogan da banda, "The five live Yardbirds" utilizado em suas apresentações.

Quando Sonny Boy Williamson (2) voltou a tocar em Londres pela ultima vez, Gomelsky consegue encaixar os Yardbirds como sua banda em alguns eventos. Williamson, que na década de trinta havia tocado com Robert Johnson, Howlin’ Wolf e Robert Jr. Lockwood, faz esses brancos ingleses sofrerem. Ele ensaia com a banda de uma maneira e propositadamente modifica os arranjos durante a apresentação. Embora a atitude de Williamson pudesse ser interpretado como a de quem está de má vontade com seus músicos, não havia como negar que o homem representa o blues em sua maior autenticidade. A experiência do encontro com o autêntico blues negro de Sonny Boy Williamson, que teve sua apresentação realizado no dia 8 de dezembro de 1963 gravada, foi um aprendizado extremamente benéfico para todos e, embora saindo chamuscados, amadurecem como banda.

A experiência leva Gomelsky a procurar um estúdio e um patrocinador para bancar a gravação da banda. Então, ainda em dezembro, os Yardbirds, patrocinados por Horst Lippmann, entram no RG Jones Studio em Surray para gravar pela primeira vez. Gomelsky atuando como produtor e ajudando no backing vocal, vai aprendendo enquanto faz. Gravam "Boom, Boom" de John Lee Hooker. Keith Relf depois é levado a compor "Happy In Your Hips" especialmente para que Lippmann possa ganhar algum dinheiro como o editor da canção. A banda grava tudo praticamente em um take, permitindo com a sobra de tempo que gravem mais uma, "Talkin’ ‘Bout You" de Chuck Berry. Satisfeitos com a sessão, Gomelsky passa a visitar as gravadoras com a fita. Decca Records demonstra interesse e a banda é convidado a fazer outra gravação que serviria como teste, para que seu representante Mike Vernon, possa levar para seus superiores e tentar um contrato. Essa sessão é realizado também em dezembro, antes do ano acabar, onde gravam "Baby, What’s Wrong?".

Não havendo ainda um conjunto de composições próprias e com um número ainda limitado de músicas no repertório, coube a Paul a idéia de aumentar o tamanho das canções com uma improvisação no miolo do tema. O conceito desta improvisação não seria da forma jazzista, onde cada músico vai tocando atrás de um solista, mas que a banda toda junta começa a criar um crescendo que quando em ápice, explode de volta para o refrão final. O estilo ou conceito foi batizado também por ele de "rave-up".

Rapidamente the Yardbirds se tornam falados no circuito de R&B, ganhando a fama de serem eletrizantes, graças aos seus rave-up's, forma diferente com que eles apresentam seu blues, bem mais pesado e selvagem. A popularidade da banda deslanchou a partir daí. É por volta desta época que surgem pichados em uma parede de Londres os dizeres "Eric Clapton is God", muito comentado então e sendo um incidente até hoje lembrado. Logo, em janeiro, com a evolução da carreira dos Stones, que passam a tocar agora somente em teatros, deixando a inviabilidade dos clubes para trás, é a vez dos Yardbirds de novamente os substituírem, desta vez no Marquee Club onde estreiam no dia 23.

Embora os esforços de Mike Vernon de convencer a Decca a assinar com os Yardbirds, é a EMI que em fevereiro, os contrata e os coloca como membros do seu outro selo, a Columbia Records. No ultimo dia do mês de fevereiro, voltam a tocar com Sonny Boy Williamson, pela ultima vez. A ocasião é o Primeiro Rhythm & Blues Festival, realizado em Birmingham. Também participando do festival estão bandas como Long John Baldry & the Hoochie Coochie Men (que também passa a ser empresariado por Gomelsky), the Spencer Davis Group e Rod Stewart & the Road Runners. O evento rende um disco, Sonny Boy Williamson & the Yardbirds, totalmente ao vivo, que só chegaria às lojas anos depois.

A banda ainda viria a lançar dois compactos, gravados em estúdio antes de trabalharem no seu primeiro album. O primeiro compacto, tinha em "A Certain Girl", o status de lado A até gravarem em inacreditáveis três minutos uma fantástica versão de "I Wish You Would". A canção é até hoje, um dos melhores e mais pesados registros da banda. Depois gravariam "Good Morning Little Schoolgirl," clássico de Sonny Boy Williamson (1). Mas para o album, Gomelsky está certo de que a melhor maneira de captar o clima de frenesi que a música da banda evoca seria gravá-los em seu habitat natural, o Marquee Club. Portanto, é ao vivo, que Gomelsky grava o album que seria chamado, "Five Live Yardbirds". Entre a firmeza da bateria de McCarty, a grave e forte presença do baixo de Smith, e as presenças marcantes das guitarras de Clapton e Dreja, como também da gaita de Relf, este disco é um clássico e primeiro registro de uma banda tocando o blues com tamanha intensidade, volume e peso. Apesar de o disco oferecer dados dando a data do evento como sendo no dia 10 de março, na realidade, ocorreu no dia 20 de março, uma sexta-feira.

O ano de 1964 não poderia ser melhor para a banda. Excursionam Inglaterra com os Stones e depois Escandinávia e outras partes da Europa, além de fazerem aparições em diversos programas de televisão de cada cidade grande em que passam. O esforço é tanto que Keith Relf, que desde a infância sofre de pneumonia, teve que faltar algumas datas de shows marcados. Na primeira vez que surgiu este problema, ele foi substituído por ninguém menos que Brian Jones, que basicamente tocou gaita para a banda. Em outras ocasiões, o próprio Mike Vernon da Decca Records, que se tornara um bom amigo do grupo, substituiu o cantor. Mas em agosto, Relf teve um problema sério no pulmão, cuja extensão foi mantido em segredo até pelos demais membros da banda. Hospitalizado, com os pulmões enfraquecidos, correu perigo de vida. Porém, após um mês de repouso, estava recuperado, voltando no dia 21 de setembro para continuar a excursão da banda, que acompanhava os Kinks. Neste meio tempo, a banda tinha nos vocais Mick O’Neill dos Authentics. O resto do ano correu relativamente bem, incluindo uma apresentação memorável no Richmond Jazz & Blues Festival.

Mas é no inicio de 1965 que a banda tem a primeiro grande crise, coisa que não será incomum na sua história. O empresário Giorgio Gomelsky, visando colocar uma canção da banda nas paradas de sucesso, passa a ditar material comercialmente viável, para eles gravarem. O primeiro exemplo desta influência é a canção "For Your Love" lançado em Março de 1965. Eric Clapton, purista e temperamental em relação a sua musica, achou ultrajante a guinada comercial proposta e aceita pelos demais. Ele então assume suas convicções e deixa a banda.

O tino comercial de Gomelsky estava certo. "For Your Love", mesmo só com Chris Dreja no violão, e mais a participação especial do jovem Brian Auger, tocando um cravo, chega a No.2 no Reino Unido e consegue entrar nas paradas americanas, um grande feito. Mas o preço foi a perda de seu guitarrista carismático. Gomelsky apazigua os ânimos prometendo trazer o guitarrista Jimmy Page, nome extremamente conhecido entre os estúdios profissionais ingleses e de fama muito mais comprovada do que a do então jovem Eric Clapton. Page porém recusa o serviço, por duas razões. Primeiro, ele andava com a saúde instável, uma das razões por escolher a profissão de músico de estúdio, ofício que não precisa lidar com viagens. Estava com uma cota boa de trabalho e com mais dinheiro no bolso, do que muito pop star. Page não tinha necessidade ou desejo de mudar de vida. O segundo motivo é que ele tem Clapton como um amigo e não deseja tomar o seu lugar. Com a insistência de Gomelsky, Page fala de seu amigo e vizinho Jeff Beck, um nome totalmente desconhecido.

Jeff Beck que chegou a tocar esporadicamente com Long John Baldry & the Hoochie Coochie Men em final de 1963, a esta altura estava tocando com sua banda The Trident, por quase um ano. Depois de um certo gig, Gomelsky, um homem muito grande, passa o braço pelo pescoço e ombro, quase dando uma gravata no magricelo Beck e já começa falando, "E se eu te dissesse que eu te colocaria na melhor banda do momento, tendo um contrato com uma gravadora, deixando você como guitarrista principal e com toda a liberdade de criar?" Os olhos do jovem brilharam com a proposta, mesmo que em momento algum, Giorgio tenha falado o nome Yardbirds. Como Jeff Beck mesmo diria em retrospecto: "Quem não iria querer tocar com os Yardbirds?"

Gomelsky bancou um banho de loja para Beck, além de um corte de cabelo, e até cordas novas pra sua guitarra velha e surrada. Mas Beck retribuiu em dobro. Inicialmente preocupado em tocar o material como Clapton, com intuito de agradar os fãs, aos poucos Jeff Beck começou a ajudar a banda a expandir seus horizontes, indo em direções impensáveis se tivessem ficado com Eric Clapton. Utilizando um pedal, especialmente desenvolvido e presenteado pelo seu amigo Jimmy Page, Jeff Beck distorce a guitarra e utiliza feedback, até estourar o seu amplificador. Toca pulando, toca com a guitarra nas costas e cria efeitos novos, que passam a ser chamados de psicodélicos. Logo serão imitados por quase todos as outras bandas.

Paul, Keith e aos poucos Jim, agora passam a compor seu próprio material com maior regularidade, e se por um momento, com a saída de Clapton, a direção da banda parecia ir para o pop chiclete, as composições novas, somadas às idéias ricas de Jeff Beck, Chris Dreja e Jim McCarty para o som geral, levam a banda a ser uma das precursoras do psicodelismo. A banda lança uma serie de compactos e passa a habitar com relativa constância as paradas de Top 20. O segundo album, "Having A Rave Up With The Yardbirds", é uma aglomeração de compactos, juntando as fases de Jeff Beck com as com Eric Clapton. Entre os destaques estão, canções como "Heart Full of Soul", "Still I’m Sad" e "The Train Kept A’ Rollin’".

É em 1965 que os Yardbirds passam a viajar frequentemente para os Estados Unidos em excursões cansativas. Porém, às vésperas da primeira ida da banda para a America, Beck passa na casa de Jimmy Page e presenteia-lhe com uma rara Telecaster 1958, uma forma de agradecer o favor do amigo em tê-lo indicado. Nos Estados Unidos, The Yardbirds com Jeff Beck deixa o publico atônito com o volume, peso e zoeira dos seus rave-up’s. Em Memphis, Gomelsky consegue marcar hora no Sun Studio e convence Sam Phillips a pessoalmente assistir à sessão. Gravam "The Train Kept A’ Rollin’". Keith, já bêbado, precisou refazer seus vocais outro dia. Em Chicago, visitam o Chess Studios e gravam "Shapes of Things" e uma versão de estúdio de "I’m A Man", agora com Beck na guitarra.

A banda excursiona seguidamente por toda Europa e duas vezes pelos Estados Unidos, deixando os nervos de Jeff Beck em estado de caos, estressado por tantas viagens. Os rave-up's continuam, mas basta Jeff Beck não gostar do amp da casa, que o mal humor leva o espetáculo aos raios do absurdo. Beck passou a ser conhecido por chutar amplificadores durante o espetáculo. Certa vez, possivelmente em Novo Mexico - EUA, ele teria jogado um amp ruim, pela janela de uma casa noturna, durante um show. Temperamental, Beck tocaria bem um dia e mal nos próximos três. Reclama de seguidas dores de cabeça e falta shows para poder namorar. O ambiente entre os membros está cada vez mais pesado e estafante.

Gomelsky então pula fora e vende seu contrato para Simon Napier, que se torna o segundo empresário da banda. Napier ganha o grupo na conversa, falando sobre adiantamento sob direitos autorais da gravadora, coisa que nunca passou pela cabeça dos músicos. Já entrando no ano de 1966, Jeff Beck passa a ocasionalmente convidar Jimmy Page a se juntar à banda, para que os dois ex- vizinhos, possam tocar juntos novamente. Paul Samuel-Smith, também estafado, já está tomando conta dos arranjos e produção da banda, produzindo o proximo compacto "Over Under Sideways Down."

Jimmy Page declina seguidamente os convites de Beck, mas o ano de 1966 prova ser relativamente estafante também para ele. No íntimo, está cansado do trabalho de estúdio, tocando cada vez mais para artistas de qualidade duvidosa, mesmo que seja por um bom dinheiro. Aos poucos a idéia de participar de uma banda começa a amadurecer em sua cabeça. Então Page acaba aceitando um convite do Beck para assistir os Yardbirds no final de maio. Tocando para uma festa de gala de universitários, dividem o show com os Hollies, cada banda tendo que tocar três sets. No primeiro, a recepção do público estava bastante fria. Nos bastidores depois, Keith Relf passa a beber irresponsavelmente, enquanto brinca com Allan Clarke de judô, quebrando algumas bandejas, passando depois para pedaços de madeira. Em dado momento, com um golpe mal dado, Relf acaba quebrando dois dedos, o que o leva ele a beber ainda mais para anestesiar a dor. Durante o segundo set da banda, Keith Relf está totalmente trôpego, e evidentemente canta muito mal, sendo ostensivamente vaiado e por isso, se achando no direito de ocasionalmente mandar todo mundo pra aquele lugar. Para completar o vexame, Relf acaba tropeçando e caindo de costas sobre a bateria, desmaiado no meio do set. Saiu carregado enquanto Jimmy Page está na plateia às gargalhadas, assistindo o que ele considera um exemplo fantástico da vida em uma banda tocando ao vivo. No estúdio, não há lugar para imprevistos e surpresas desta natureza. Quando a banda volta para o palco pela terceiro vez, faz um set instrumental.

Totalmente enojado com a atitude displicente de Relf e já cansado dos aprontes de Beck, Paul Samuel-Smith avisa que não tocará mais com o grupo e convida Dreja e McCarty a saírem com ele. Os dois preferem continuar com o grupo. Smith seguiria trabalhando como produtor dos Yardbirds e, aos poucos, como empresário de alguns artistas, tendo administrado por um curto período, a carreira de Cat Stevens.

Beck ficou bastante sem graça ao ver Page assistindo todo o desenrolar da noite, logo quando ele veio para conferir a viabilidade de entrar na banda. Mas para a sua surpresa, Jimmy de muito bom humor, logo se oferece para assumir o baixo enquanto não arrumam outro baixista. A nova formação dos Yardbirds estreou ao vivo no Marquee Club em junho de 1966. Simon Napier ao saber da entrada do Jimmy Page na banda, chamou todos de loucos. Encostou Jeff Beck no canto para explicar que ele Beck, era o estrela da banda e convidar um músico tarimbado como Jimmy Page era uma loucura. Mas Page, ganhou todos na simpatia e a banda votou a favor de mantê-lo.

Embora Jimmy Page já tenha tirado férias na California em 1965, é como baixista dos Yardbirds que, pela primeira vez, ele chega ao país para dar um espetáculo. Sua estréia no Whiskey A-Go-Go de Los Angles foi marcado por sua ânsia de tocar. O som da banda, mesmo sem premeditar, instintivamente ficara ainda mais pesado, como também mais alto. Quando a banda chega em San Francisco, Jeff Beck com dor de garganta, novamente se recusa a tocar. Temperamental e vaidoso, essas crises de Beck vêm se tornando cansativos e estressantes para toda a banda. Concordou-se então que Chris Dreja e Jimi Page trocariam de instrumentos. Quando o publico viu Jimmy Page na guitarra e os Yardbirds sem Jeff Beck, as vaias e o mau humor geral se instalaram. Não obstante, bastou Page começar a tocar pra calar a boca de todos. Ou melhor, deixá-los de boca aberta, pois além de manter os estilos de Clapton e Beck nas canções marcados por esses artistas, Jimmy mostrou que ele tinha seu estilo próprio também. Para isso pegou um arco de violoncelo e usou na guitarra, conseguindo efeitos em um espetáculo nunca vistos antes na América, embora o truque já fora feito primeiramente na Inglaterra por Eddie Phillips, guitarrista dos Creations. Ao final do show, a banda tinha a certeza de que, caso Beck continuasse a ter seus "de repentes", o show agora estaria assegurado com Jimmy Page.

O restante da excursão é material lendário. Com a dupla de guitarristas Jeff Beck e Jimmy Page, com Chris Dreja agora fixo no baixo, a América assistiu história. Nunca se ouvira nada tão alto ou pesado antes. Se Page elevou o volume geral da banda estando no baixo, quando passou a tocar sua Telecaster '58 vermelha, a banda aumentou os decibéis ainda mais. Jim McCarty mal conseguia ouvir sua bateria e Keith Relf passava sufoco, com uma guerra inglória para tentar se ouvir também. Mas era o peso, além da técnica, que destacava os Yardbirds de todas as outras bandas existentes.

De volta à Inglaterra, excursionam novamente abrindo os shows dos Rolling Stones. Foi difícil para os Stones manter seu status de atração principal, com a diferença de volume, quase três vezes mais alto, e musicalidade entre as duas bandas. Nunca foi a intenção dos Rolling Stones de apresentar um show de exímia técnica na guitarra. Sua musica reflete rhythm & blues e rock & roll em sua expressão mais plena. Embora os Yardbirds começaram pelo mesmo enfoque, evoluiriam para esse massa sonora que a imprensa passava a comparar ao volume de uma Terceira Guerra Mundial.

Os amigos Page e Beck, quando em Londres, passavam o tempo ensaiando só os dois, para que os solos tivessem um efeito de estéreo ao vivo. Nesta época, Napier conseguiu atrelar os Yardbirds a um filme do diretor Antonioni, que veio a se chamar "Blow-Up". Antonioni queria fazer um filme sobre a "Swingin' London" e teria uma cena acontecendo em um clube que, em sua inspiração inicial, teria a banda The Who, com Pete Townshend destruindo sua guitarra. Sem conseguir entrar em um acordo com aquela banda, Napier aproveitou a oportunidade e colocou os Yardbirds, com Jeff Beck para a cena. Beck evidentemente recusou-se a destruir a sua guitarra e lhe foram entregues diversas guitarras de mentira, para ele praticar e depois fazer a cena. A canção escolhida, "Train Kept A- Rollin’" teve problemas em relação aos direitos autorais e não pôde ser incluída no filme. Então uma versão com nova letra foi rapidamente escrita por Keith Relf, nascendo assim a canção "Stroll On".

Em estúdio, a intenção de se ouvir duas guitarras em estéreo feito pela dupla de guitarristas é percebida na canção "Stroll On" e "Happenings Ten Years Ago". É importante destacar o fato que, em toda a carreira dos Yardbirds, nunca houve uma produção maior para suas gravações. Em geral, o que você escuta nos discos é o trabalho da banda tocando ao vivo no estúdio, salvo os vocais. Overdubs geralmente incluíam apenas a gaita ou detalhes, como palmas. Segundo Keith Relf, muitas vezes ele estava escrevendo uma letra na cabine de voz, aguardando a vez, enquanto a banda estava gravando a base. O processo geralmente incluía uma ou duas passagens da musica para se acertar equalização dos volumes e uma ou duas passagens já gravando valendo. Depois, passavam para gravar a voz, gaita, etc, em seguida mixando tudo. Até o final do ano, seria lançado o album Yarbirds, também conhecido como Roger The Engineer, título do desenho da capa. É o primeiro e único album da banda a não amontoar compactos de fases diferentes. O album apresenta a banda tomando riscos musicais ímpares, tendo a canção "Shapes of Things" como ápice de suas contribuições psicodélicas. Apresenta também uma maior participação de Jim McCarty e Chris Dreja nas composições novas da banda. Ainda seria gravada a canção "Psycho Daises", contendo a dupla de guitarristas Beck e Page como atração, mas este só seria lançado em compacto no final do ano, Jeff Beck já estando fora da banda.

The Yardbirds, já em outubro, voltam a excursionar América, tomando parte na "Caravana de Estrelas" de Dick Clark, em seu show ambulante. Por cinco semanas dentro de um ônibus, todos da troupe, que incluía grupos pop como Gary Lewis, Sam the Sham & the Pharaohs, e Brian Hyland, estarão viajando de costa a costa dos Estados Unidos de ônibus. As condições, dado o histórico do seu guitarrista temperamental, era um convite ao desastre. Fazendo dois shows por noite, após três dias viajando em um ônibus, Jeff Beck enlouqueceu. No meio do show ele derrubou uma pilha de amplificadores, destruiu sua guitarra e abandonou o palco. Sem esperar ninguém, ele deixou o local, pegou um avião para Los Angeles e esperou o resto da banda lá, o ponto final da excursão. Page assumiu a posição de guitarrista líder e quando chegaram finalmente em Los Angeles, apesar de Beck os receber cheio de mazelas e pedindo mil desculpas, ele foi dispensado. Ninguém da banda queria mais saber dele ou ter que lidar com seus descontroles emocionais em viagem.

Assim acabou a formação mágica e histórica. Em cerca de 18 meses em que Jeff Beck esteve com os Yardbirds, ele levou o grupo a explorar outros terrenos musicais, e no caminho mudou o conceito de guitarra mais do que qualquer outro guitarrista na década, excluindo Jimi Hendrix.

Enquanto isso, na Inglaterra, Simon Napier-Bell vende seu contrato com os Yardbirds para a dupla Mickie Most e seu sócio Peter Grant. Uma das razões possivelmente fosse a de estar cansado de ter que lidar com Jimmy Page, que como veterano de estúdio, vivia questionando os pagamentos feitos ao grupo e seus reais valores. Quando a banda chega da excursão, os novos donos de seus contratos descobrem sobre o descontentamento da banda em relação a Beck. Mickie Most então se mostrou mais interessado em trabalhar com Jeff Beck e deixou os Yardbirds na mão de Peter Grant, trabalhando com eles apenas como produtor de seus discos.

Mickie Most era nesta época um dos maiores e mais bem sucedidos produtores da Inglaterra. Mas o tipo de material que ele está acostumado a trabalhar é composto de canções pop de até três minutos, como atesta os seus maiores sucessos da época, Herman’s Hermits, Lulu e Donovan. Infelizmente as próximas gravações da banda refletem bastante esta mudança de mentalidade. Apesar de seus shows ao vivo serem comparados à "Terceira Guerra Mundial", o que é lançado é material típico de rádio AM. Gravações como "Little Games", "Haha Says The Clown" e "Ten Little Indians" não são das mais felizes, e adicionam tensão nos já desgastados nervos da banda. Mesmo porque são canções compostas por desconhecidos e que sequer têm a participação da banda nas gravações. Apenas de Jimmy Page e uma equipe de músicos de estúdio, com a qual Mickie Most está acostumado a trabalhar. O mais constante entre estes sendo John Paul Jones, baixista e arranjador predileto de Most.

Esses trabalhos, bem aquém do potencial da banda, deterioram o bom nome dos Yardbirds, embora Chris Dreja, Jim McCarty e Keith Relf, os mais antigos, já nem se importam mais. Estão tão desmotivados com o material oferecido e o tratamento da gerência sobre a banda, que se satisfazem em ficar fumando maconha e tomando ácido, ignorando o futuro. Mickie Most promove compactos caprichados para consumo juvenil e não tem maior interesse em relação a LP's. Quando a banda exige gravar, Most permitia um take apenas e não deixa o grupo ouvir o resultado. O mal estar permanece e todos, principalmente Jimmy Page, se irritam com esta mentalidade antiquada de se trabalhar. Estava obvio para Page e Dreja que a música, como também o gosto musical do público já mudara. Já aparecem na cena roqueira, bandas como Cream, Traffic, Vanilla Fudge, Free e The Jimi Hendrix Experience, para elevarem o volume e as concepções para patamares incríveis. Jim Marshall, com a ajuda do The Who está desenvolvendo os amplificadores Marshall para logo poderem oferecer volumes impensáveis, retendo ainda qualidade sonora, sem rachar os alto falantes. O tempo não poderia ser melhor para os Yardbirds voltarem a atacar em grande estilo. Mas o grupo parecia desmotivado, perdido e cansado, como também, mal administrado.

Enquanto o desdém corrói os Yardbirds, Jeff Beck estava sendo bem assessorado por Mickie Most, que montou uma banda ao redor de seu talento. Em um ano ele estaria excursionando em um passo menos frenético com o seu recém criado Jeff Beck Group. Peter Grant, por sua vez, acaba optando por comprar de Most sua parte do contrato dos Yardbirds. Depois os leva novamente para a estrada, desta vez o grupo indo tocar em Singapura e Austrália. Diferente da maioria dos empresários, Grant acompanhava a banda nas viagens, protegendo seus interesses, e esse companheirismo aproximou muito as relações com a banda, principalmente com Jimmy. De fato, esta excursão é a primeira que a banda percebe como lucrativa. Depois, Page não volta pra Inglaterra, preferindo ir para a Índia, passando alguns dias ouvindo músicos intinerantes tocar pelas ruas. Já vestidos em roupas psicodélicos como todos os membros de sua geração, Relf e McCarty estão cansados da banda e passam a ter um crescente interesse em folk inglês. Mas Grant os deixam sempre ocupados, excursionando novamente Escandinávia, depois Japão e por último, França. Enquanto os demais estão tomando ácido diariamente, Page aceita o papel de representante do grupo para entrevistas, divulgando a banda e as propostas musicais.

Os Yardbirds voltam a gravar algumas coisas juntos durante 1967, as últimas coisas lançadas pela banda. Entre estas estão canções como "Glimpses" que oferece Jimmy Page tocando a guitarra com o arco, registrado em disco pela primeira vez. "White Summer" com fortes influencias de folk tradicional inglês, coisa que será mais explorado nas futuras bandas de Page, Relf e McCarty, e "Think About Me" primeira composição de Jimmy Page para o grupo, que inclui um solo de guitarra que seria reaproveitado em "Dazed And Confused" saindo em disco somente com o Led Zeppelin. O produto desta fase sai em 1968, apenas no mercado americano, com o nome de "Little Games".

Novamente é válido salientar a importância da presencia de Peter Grant, junto à banda durante as excursões e como essa presença se traduz em dinheiro para a banda. Grant, que continuou a trabalhar com Jimmy Page no Led Zeppelin; pode ser visto no filme "The Song Remains The Same" (Rock É Rock Mesmo) em dado momento, esculachando algum funcionário do Madison Square Garden, por deixar um ambulante vender posters não autorizados do Led Zeppelin, pelos corredores do estabelecimento. Grant acusa o responsável de permitir o ponto de venda ilícito em troca de um percentual. A cena ilustra bem seu poder de intimidação e como ele o usa, neste lado do seu trabalho. Com os Yardbirds, existe pelo menos uma história similar, porém em situação bem mais hostil. Em Warwick, Rhode Island, o menor estado dos Estados Unidos, os Yardbirds iriam tocar em algum parque de diversão no verão. À caminho, o ônibus foi obrigado a parar e dois promotores italianos entraram mostrando suas armas e avisando que todo mundo iria morrer. A idéia possivelmente era intimidar os músicos assim eles acabariam obrigados a trabalharem por bem menos do que previamente concordado. Grant levantou e encarou os dois, empurrando-os com seu corpo enorme pra trás, gritando "Vocês vão fazer o que? Vocês vão fazer o que?". Grant empurra a dupla de gangsters para fora do ônibus, ambos espantados e perplexos com o gigante intimidador.

É nesta excursão americana, precisamente em Nova York, que a banda vai ao Café A-Go-Go para assistir Janis Ian mas acabam impressionados com o trio folk que abre a noite. O trio era composto por Jake Holmes e mais dois amigos. Uma música em particular marcou a noite, com um baixo hipnotizante que chama a atenção de toda a banda. A canção se chamava "Dazed And Confused" e todos concordaram que ela serviria bem como material dos Yardbirds. Jim McCarty comprou o disco de Holmes e passaram a estudar a canção. Keith Relf reescreveu outra letra e Page reaproveitou uma idéia no solo utilizado anteriormente em "Think About Me". Chamando a canção de "I'm Confused", ela teve sua estreia quando a banda tocou no Madison Square Garden em dezembro de 1967.

Voltam à Inglaterra para o Natal e Ano Novo mas antes de janeiro terminar estão de volta aos Estados Unidos para o que acabou sendo a última excursão da banda. Terminando em Nova York, já em Abril, gravaram o último show, porém o equipamento foi microfonado amadoristicamente e o resultado auditivo foi catastrófico. Este material seria lançado em 1971 como Live Yardbirds Featuring Jimmy Page, mas em função do horrível trabalho feito na gravação, acoplando palmas falsas e equalizações equivocadas, a banda processou a gravadora e conseguiram tirá-lo do mercado. Material favorito entre pirateiros, o disco conseguiu finalmente uma versão decente após o surgimento de gravação digital. O CD hoje disponível no mercado é uma edição e remixagem da fita original somados a uma cópia pirata feito por alguém que estava presente na plateia naquela noite. Com uma qualidade auditiva de "baixa fidelidade", o disco é um registro histórico interessante onde podemos perceber pelo repertório, que inclui material antigo, recente e novo, a metamorfose em que a banda se encontra.

Antes de voltarem à Inglaterra, gravam no estúdio da Columbia Records uma seqüência de composições pensando em um futuro álbum. Este ultimo álbum acaba nunca acontecendo, mas entre o material que fora gravado nesta sessão consta as canções "Spanish Blood", "Avron Knows", "Knowing That I'm Losing You", "Taking A Hold On Me", além de duas versões alternativas para os já lançados "White Summer" e "Tinker Tailor". Também havia uma canção que reapareceria na década de setenta no material de Led Zeppelin, com o nome de "Tangerine".

De volta à Inglaterra, Relf e McCarty estão prontos para entregar a toalha. Estão cansados de estarem tocando praticamente as mesmas musicas desde 1963 e ambos estão apreciando mais o som de bandas que trabalham com o folk, mormente o Fairport Convention. Após uma apresentação no Luton Technical Collage, os dois informam Grant que não desejam continuar com o grupo, assim terminando melancolicamente em julho de 1968, a trajetória de uma das melhores bandas ao vivo da primeira metade da década de sessenta. Peter Grant informa Jimmy Page da posição tomada pelo seu baterista e vocalista. Com shows marcados para o outono na Escandinávia, e mais opções para show na Austrália e Japão, Grant e Page concordam que o melhor seria continuar com os Yardbirds, procurando novos membros. Mas quando Dreja resolve também deixar o grupo para se dedicar a fotografia, os Yardbirds passam a se apresentar como The New Yardbirds, com três novos membros e abandonando todo o repertório associado ao antigo Yardbirds. Pouco depois, mudariam de nome para Led Zeppelin, mas essa já é outra historia.

Precisaria as excelentes carreiras de Jimmy Page no Led Zeppelin e Jeff Beck com seu Jeff Beck Group na década de setenta, para levar jovens a pesquisar seus trabalhos anteriores e redescobrirem os Yardbirds. Descobrir também que a carreira do Eric Clapton não começa com Cream ou The Bluesbreakers. Mas se a banda foi tão importante assim, porque foram tão pouco vangloriados em sua época?

Grande parte da culpa está na incapacidade da banda de compor canções para o ouvinte de rádio. Apesar do sucesso de "For Your Love", em cinco anos de banda, apenas nos 18 meses com Jeff Beck foi que the Yardbirds teve uma maior quantidade de músicas entre o Top 20. Outra contribuição negativa reside na falta de percepção da banda e de seus produtores para a mudança do mercado que passava a dar cada vez mais importância a álbuns com uma identidade própria, e não apenas a união de alguns compactos mais canções com intuito de apenas preencher o espaço restante do vinil. Outro mal que assolou constantemente a banda foi má gerenciamento por parte dos empresários. Apesar da banda ao vivo não ter igual, dificilmente foram atrações principais em festivais e grandes concertos. Por conseguinte, o status da banda era extremamente inferior ao de bandas que foram relativamente influenciados por eles, como Cream e Vanilla Fudge entre outros.

The Yardbirds voltaria a surgir as vésperas do novo milênio. Mas para entender melhor como e porque, vale a pena seguir as carreiras de alguns de seus dissidentes.

Assumindo de vez o descontentamento com suas carreiras no Yardbirds, Jim McCarty e Keith Relf inicialmente começaram um projeto que se chamou Together. Mas o projeto sofreria uma metamorfose transformando-se em 1969 na banda Renaissance. Na formação, além dos dois ex- Yardbirds, está Annie Haslem e a irmã de Keith, Jane Relf nos vocais; Loui Cenammo no baixo, John Tout nos teclados e Michael Dunbar na guitarra. Inicialmente influenciados pela música de bandas como The Fairport Convention, lançam dois discos de folk-rock progressivo, ambos produzidos por Paul Samuel-Smith, com um elenco variado de músicos extras. O segundo álbum, lançado em 1971, já está inclinando para a direção na qual a banda ganharia maior fama. Antes porém, discussões internas acabam por afugentar dois dos três membros iniciais. Jim McCarty deixaria finalmente o Renaissance em 1973, depois do disco "Ashes Are Burning", a banda ficando agora sob o comando da Annie Haslem.

McCarty volta a trabalhar com os irmãos Relf montando em 1976, Illussion, banda que segue a linha inicial de Renaissance. Antes de iniciarem o que seria o segundo disco do grupo, Keith Relf toma um choque de sua guitarra, morrendo eletrocutado no porão de sua casa, onde ficava seu estúdio. Ele foi encontrado pelo seu filho na manha seguinte, ainda com headfones. O disco que seguiu, "Out of The Mist", é gravado em tom de requiem para o cantor e contou com a participação de Paul Samuel-Smith não só na produção, como também nos vocais.

Illussion não durou muito depois disto e McCarty reapareceria em 1983 ao lado de Chris Dreja e Paul Samuel-Smith, mais John Fiddler nos vocais, formando the Box of Frogs, banda que tinha a intenção de apenas marcar a inauguração do novo Marquee Club, que acaba de ser reaberto. O que começou inicialmente como apenas uma apresentação acaba se transformando em uma banda que lança dois discos muito bem aceitos pela critica especializada. O disco de estréia, lançado em 1984, oferece uma formação eclética com guitarristas convidados Jeff Beck e Rory Gallagher e tecladista Max Middleton entre outros. O disco seguinte, saindo em 1986, tem novamente outra série de convidados como Jimmy Page, Steve Hackett, Ian Dury, Graham Gouldman, Graham Parker, John Knightsbridge, além de Rory Gallagher e Max Middleton, entre outros. Pouco depois, Paul Samuel-Smith deixa o grupo, mas o Box of Frogs acaba viabilizando a possibilidade do ressurgimento dos Yardbirds na década de noventa.

Mas antes, em 1988, McCarty volta a fazer música com seus ex-companheiros de Renaissance e Illussion, Loui Cenammo e Jane Relf. Investem em um som mais para new-age, tendência musical da época. Participando de uma feira Yardbirds, Jim encontra Top Topham, primeiro guitarrista dos Yardbirds, que não vê a mais de vinte anos. Este encontro muda a orientação musical de McCarty novamente para o blues, montando assim The Jim McCarty Band. Além de Jim McCarty na bateria e Top Topham na guitarra, a formação da banda inclui um jovem fã dos Yardbirds chamado John Idan na outra guitarra e Loui Cenammo no baixo. O repertório passou a naturalmente incluir material dos Yardbirds. Com algumas metamorfoses e tentativas falidas de gravar o combo, Topham e Cenammo desentendem-se e os dois deixam o grupo. Músicos são substituídos como também o nome do conjunto, passando a se chamar The Jim McCarty Group para depois ganhar o pomposo nome de The British Invasion All Stars. Esta ultima formação, é de longe a mais interessante, pois já inclui os esforços somados de Eddie Phillips ex-Creations, Ray Phillips do Nashville Teens, mais Keith Grant e Don Craine do Downtown Sect. Gravam o disco "Regression", tocando números fortes como "Train Kept A Rollin'", "House of the Rising Sun", "My Generation", "Honky Tonk Woman" e "Around and Around".

No ano seguinte junta-se a este grupo Matthew Fisher, ex-Procol Harum, Phil May e Dick Taylor ex-Pretty Things e Mick Green ex-Pirates, formando uma química forte, porém mais suavizada, com um repertório que também passa a incluir números como "Green Onions" "Don't Let Me Be Misunderstood" e "Bright Lights, Big City". Com a saída de Fisher e a entrada de Noel Redding ex-Experience em 1990, o som volta a puxar mais para o pesado e a banda é rebatizada agora de The Yardbirds Experience. A banda aceita o desafio de gravar uma versão de "Communication Breakdown" e "Whole Lotta Love" além de um tributo a Hendrix com um medley que inclui "Hey Joe", "Wind Cries Mary" e "Purple Haze", no CD que saiu deste trabalho.

Quando em 1992 The Yardbirds é nomeado para ser incluído no Rock n’ Roll Hall of Fame, o evento instiga uma reunião da banda que, apresentam-se para a cerimônia com uma formação que inclui além de Jim McCarty e Chris Dreja, Jeff Beck, Jimmy Page e o ex-10cc Graham Gouldman, autor de "For Your Love", entre outros hits do repertório original da banda. A partir da aceitação do publico neste show, Chris Dreja e Jim McCarty passam a contemplar seriamente reavivar o nome Yardbirds.

Mas foi somente em 1996 que Dreja e McCarty passam a excursionar novamente utilizando o nome. Desta vez com uma formação fixa que inclui Alan Glen que já tocara com gente como Alvin Lee e Dr. Feelgood na gaita e percussões; Gypie Mayo, outro ex-Dr. Feelgood, um talentoso guitarrista que mantém a tradição da banda por grandes guitarristas e John Idan ex-Jim McCarty Band, no baixo e vocalista principal, fechando o grupo. A banda além de representar o repertório clássico da banda, viabiliza a inserção de material novo, composto geralmente pela dupla Dreja e McCarty.

Somente na década de oitenta a a critica especializada voltaria a refletir e conceder a devida importância the Yardbirds merece, ofuscados em parte, pelas incríveis carreiras de seus guitarristas Eric Clapton, Jeff Beck e Jimmy Page. Os rave-up's, concepção criado pelos Yardbirds, antecipa em até três anos a concepção de power blues tão em voga a partir de 66/67. Cream, tão respeitado por instituir o improviso livre no rock, nada mais fez, do que esticar a concepção do rave-up criado pelos Yardbirds. Enquanto a demanda nas rádios era regido por canções pop melódicos, como a dos Beatles em 1965, the Yardbirds com Jeff Beck, estavam criando os princípios do psicodelísmo. Intuitivamente na vanguarda, má gerenciamento somados a falta de profissionalismo por parte dos seus integrantes, fizeram a banda perder aos poucos, quase todo o seu público, especialmente na Inglaterra. A nova banda que hoje excursiona com o nome Yardbirds, mesmo que usurpando esta historia para vender ingressos, é a última oportunidade de se assistir um pouco da energia que emanava deles na década de sessenta. Texto: Márcio Ribeiro (Whiplash). 

Integrantes.

Atuais.

Jim Mccarty (Bateria, Backing Vocals, 1963-1968, 1982-1983, desde 1992)
John Idan (Baixo, Vocais, 1992-2009, Guitarra, Backing Vocals, desde 2015)
Ben King (Guitarra Solo, 2005-2014, Guitarra, desde 2015)
David Smale (Baixo, Backing Vocals, 2009-2014, desde 2015)
Billy Boy Miskimmin (Gaita, Percussão, 2003-2008, desde 2015)

Ex-Integrantes. 

Keith Relf (Vocais, Harmônica, Guitarra, 1963-1968, R.I.P 1976)
Chris Dreja (Guitarra, Baixo, Percussão, 1963-1968, 1982-1983, 1992-2013)
Paul Samwell-Smith (Baixo, Vocais, 1963-1966, 1983)
Eric Clapton (Guitarra, Vocais, 1963-1965)
Jeff Beck (Guitarra, Vocais, 1965-1966)
Jimmy Page (Guitarra, Baixo, 1966-1968)
Anthony "Top" Topham (Guitarras (1963, 2013-2015)
John Knightsbridge (Guitarra, Vocal de Apoio, 1982-1983)
Mark Feltham (Vocais, Harmônica, 1982-1983)
Joe Allanson (Baixo, 1982)
Rod Demick (Baixo, Harmônica, Backing Vocals, 1992-1993)
Ray Majors (Guitarra, Vocal de Apoio, 1994-1995)
Laurie Garman (Gaita, 1994-1996)
Denny Ball (Baixo, 1998)
Gypie Mayo (Guitarra, Vocal de Apoio, 1995-2005, R.I.P 2013)
Alan Glen (Gaita, Percussão, 1996-2003, 2008-2009)
Jerry Donahue (Guitarra Solo, 2004-2005)
Andy Mitchell (Vocal, Gaita, Violão, 2009-2015)
Earl Slick (Guitarras, 2015)
Johnny A. (Guitarra, 2015)
Myke Scavone (Backing Vocals, Gaita, Percussão, 2015)
Kenny Aaronson (Baixo, 2015)

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro


Bitrate: 320Kbps.

Álbuns.

Sonny Boy Williamson II & The Yardbirds with Eric Clapton - Live In London! (1963)
 
01. Bye, Bye Bird
02. Mister Downchild
03. The River Rhine
04. Hours Too Long
05. A Lost Care
06. Pontiac Blues
07. Take It Easy Baby
08. Out On The Water Coast
09. I Don't Care No More
10. Honey In Your Hips
11. Western Arizona


Five Live Yardbirds (1964)
 
01. Too Much Monkey Business
02. I Got Love If You Want It
03. Smokestack Lightning
04. Goodmorning Little School Girl
05. Respectable
06. Five Long Years
07. Pretty Girl
08. Louise
09. I’m a Man
10. 10. Here ’Tis


For Your Love (1965)
 
01. For Your Love 
02. I’m Not Talking
03. Putty (In Your Hands)
04. I Ain’t Got You
05. Got to Hurry
06. I Ain’t Done Wrong
07. I Wish You Would
08. A Certain Girl
09. Sweet Music
10. Good Morning Little Schoolgirl
11. My Girl Sloopy
Bonus Tracks.
12. Baby What’s Wrong
13. Boom Boom
14. Honey In Your Hips
15. Talkin’ ‘Bout You
16. I Wish You Would (LongVersion)
17. A Certain Girl (Aternate Take)
18. Got To Hurry (Take 4)
19. Sweet Music (Take 4)
20. Heart Full Of Soul (Sitar Ver)
21. Steeled Blues
22. Paff Bumm (German Issue)
23. Questa Volta
24. Paff Bumm (Italian Issue)


Having A Rave Up With The Yardbirds (1965)
 
01. Heart Full of Soul
02. Mr. You Are a Better Man Than I
03. Evil Hearted You
04. Still I'm Sad
05. Jeff's Blues (Take 2)
06. Like Jimmy Reed Again
07. Chris' Number
08. Pounds and Stomps
09. Shapes of Things
10. I'm a Man
11. The Train Kept A-Rollin'
12. Here 'Tis
13. Steeled Blues
14. New York City Blues
15. What Do You Want (Take 4)
16. Stroll On


Roger The Engineer (1966)
 
01. Happenings Ten Years Time Ago
02. Lost Women
03. Over Under Sideways Down
04. The Nazz Are Blue
05. I Can't Make Your Way
06. Rack My Mind
07. Farewell
08. Hot House Of Omagararshid
09. Jeff's Boogie
10. He's Always There
11. Turn Into Earth
12. What Do You Want
13. Ever Since The World Began
14. Psycho Daisies


Over Under Sideways Down: Roger The Engineer (1966)
 
01. Lost Woman
02. Over Under Sideways Down
03. The Nazz Are Blue
04. I Can't Make Your Way
05. Rack My Mind
06. Farewell
07. Hot House Of Omagararshid
08. Jeff's Boogie
09. He's Always There
10. Turn Into Earth
11. What Do You Want
12. Ever Since The World Began
Bonus Tracks.
13. Over Under Sideways Down (7" Version)
14. Jeff's Boogie (7" Version)
15. Happenings Ten Years Time Ago
16. Psycho Daisies
17. Hot House Of Omagararshid
Keith Relf Solo Singles.
18. Mr. Zero
19. Knowing
20. Shapes In My Mind
21. Blue Sands
22. Shapes In My Mind (Alternate Version, Previously Unreleased)


Sonny Boy Williamson II & The Yardbirds - Live At The Craw-Daddy Club Richmond (London 1966)
 
01. Bye Bye Bird
02. Mr. Downchild
03. 23 Hours Too Long
04. Out on the Water Coast
05. Baby Don't Worry
06. Pontiac Blues
07. Take It Easy Baby (Version One)
08. I Don't Care No More
09. Do the Weston
Bonus Tracks.
10. The River Rhine
11. A Lost Care
12. Western Arizona
13. Take It Easy Baby (Version Two)
14. Slow Walk
15. Highway 69
16. Hey Little Cabin


Little Games (1966)
 
01. Little Games
02. Smile On Me
03. White Summer
04. Tinker, Tailor, Soldier, Sailor
05. Glimpses (Version 1)
06. Drinking Muddy Water (Stereo Mix)
07. No Excess Baggage
08. Stealing Stealing
09. Only The Black Rose
10. Little Soldier Boy
Bonus Tracks.
11. Puzzles
12. I Remember The Night
13. Ha Ha Said The Clown
14. Ten Little Indians (Vocal)
15. Goodnight Sweet Josephine (Version 1)
16. Think About It
17. You Stole My Love
18. L.S.D.
19. Drinking Muddy Water (Mono Mix)
20. De Lane Lea Lee
21. Glimpses (Version 2)
22. Never Mind
23. Ten Little Indians (Instrumental)
24. Goodnight Sweet Josephine (Version 2)
25. Together Now (By Together)
26. "Great Shakes" Commercial Spot


Live Yardbirds Feat Jimmy Page, 1968 (1971)
 
01. Train Kept A-Rollin
02. You're A Better Man Than I
03. Dazed and Confused
04. My Baby
05. Over, Under, Sideways, Down
06. Drinking Muddy Water
07. Shapes of Things
08. White Summer
09. I'm a Man
10. My Baby
11. I Wish You Would


Blue Eyed Blues (Live 1972)
 
01. 23 Hours Too Long
02. Out On The Water Coast
03. Five Long Years
04. I Aint’t Got You
05. Good Morning Little Schoolgirl
06. Little Red Rooster (Rehearsal)
07. Little Red Rooster
08. Highway 49
09. Wang-Dang-Doodle
10. I’m A Man
11. Jeff’s Blues
12. I See A Man Downstairs


The First Recordings '63 (Live 1984)
 
01. Smokestack Lightinin’
02. You Can’t Judge a Book by Looking at the Cover
03. Take It Easy, Baby
04. Talkin’ About You
05. Let It Rock
06. I Wish You Would
07. Boom, Boom
08. Honey in Your Hips
09. Who Do You Love


Greatest Hits (1992)
 
01. For Your Love
02. Shapes Of Things
03. Heart Full Of Soul
04. Evil Hearted You
05. I'm A Man
06. Little Games
07. Ha Ha Said The Clown
08. Ten Little Indians
09. Goodnight Sweet Josephine
10. The Train Kept A Rollin'
11. Your're A Better Man Than I
12. Still I'm Sad
13. I Wish You Would
14. Good Morning Little Schoolgirl
15. Boom Boom
16. I Ain't Done No Wrong
17. I Ain't Got You
18. I'm Not Talking
19. Stroll On
20. A Certain Girl
21. Honey In Your Hips
22. Got To Hurry
23. Putty (In Your Hands)
24. Pafff...Bum
25. Sweet Music


The BBC Sessions: 1965-1968 (1999)
 
01. I Ain’t Got You
02. Keith Relf talks
03. For Your Love
04. I’m Not Talking
05. I Wish You Would
06. I Ain’t Done Wrong
07. Heart Full of Soul
08. I Ain’t Done Wrong
09. Too Much Monkey Business
10. Love Me Like I Love You
11. I’m a Man
12. Evil Hearted You
13. Interview about ‘Still I’m Sad’ Single
14. Still I’m Sad
15. Hang on Sloopy
16. Smokestack Lightning
17. The Yardbirds interview
18. You’re Better Man Than I
19. The Train Kept a-Rolling
20. Shapes of Things
21. Dust my Broom
22. Baby Scratch my Back
23. Keith Relf talks III
24. Over Under Sideways Down
25. The Sun is Shining
26. Shapes of Things II
27. Most Likely You Go Your Way
28. Little Games
29. Drinking Muddy Water
30. Think About It
31. Interview with Jimmy Page
32. Goodnight Sweet Josephine
33. My Baby


Ultimate! (Coletânea 2001)
 
CD 1.

01. Boom Boom
02. Honey In Your Hips
03. A Certain Girl
04. I Wish You Would
05. Too Much Monkey Business (Live)
06. I Got Love If You Want It (Live)
07. Smokestack Lightning (Live)
08. Here ‘Tis (Live)
09. Good Morning Little Schoolgirl
10. Got To Hurry
11. I Ain’t Got You
12. For Your Love
13. I’m Not Talking
14. Steeled Blues
15. Heart Full Of Soul
16. I Ain’t Done Wrong
17. You’re A Better Man Than I
18. Shapes Of Things
19. The Train Kept A-Rollin’
20. New York City Blues
21. Evil Hearted You
22. I’m A Man
23. Still I’m Sad
24. Questa Volta
25. Pafff…Bum

CD 2.

01. Lost Woman
02. Over Under Sideways Down
03. The Nazz Are Blue
04. I Can’t Make Your Way
05. Rack My Mind
06. Hot House Of Omagararshid
07. Jeff’s Boogie
08. He’s Always There
09. Turn Into Earth
10. What Do You Want
11. Happenings Ten Years Ago
12. Psycho Daisies
13. Stroll On
14. Little Games (Single Version)
15. Puzzles
16. White Summer
17. Tinker, Tailor, Soldier, Salior
18. No Excess Baggage
19. Drinking Muddy Water
20. Only The Black Rose
21. Ten Little Indians
22. Ha Ha Said The Clown
23. Goodnight Sweet Josephine (US Version)
24. Think About It
25. Knowing (Keith Relf)
26. Mr. Zero (Keith Relf)
27. Shapes In My Mind (Keith Relf)
 

Link.

Birdland (2003)
 
01. I’m Not Talking
02. Crying Out For Love
03. The Nazz Are Blue
04. For Your Love
05. Please Don’t Tell Me ’bout The News
06. Train Kept A Rollin’
07. Mr Saboteur
08. Shapes Of Things
09. My Blind Life
10. Over Under Sideways Down
11. Mr You’re A Better Man Than I
12. Mystery Of Being
13. Dream Within A Dream
14. Happenings Ten Years Time Ago
15. An Original Man (A Song For Keith)


Live! Blueswailing, July '64 (2003)
 
01. Someone to Love Me
02. Too Much Monkey Business
03. I Got Love If You Want It
04. Smokestack Lightning
05. Good Morning Little Schoolgirl
06. She Is So Respectable/Humpty Dumpty
07. The Sky Is Crying


Live At B.B.King Blues Club (2007)
 
01. Train Kept A Rollin
02. Please Don’t Tell Me ‘Bout The News
03. Drinking Muddy Water
04. Crying Out For Love
05. Heart Full Of Soul
06. My Blind Life
07. The Nazz Are Blue
08. Mr. You’re A Better Man Than I
09. Mr. Saboteur
10. Shape Of Things
11. Mystery Of Being
12. Rack My Mind
13. Over Under Sideways Down
14. Back Where I Started
15. For Your Love
16. Still I’m Sad
17. Dazed And Confused
18. I’m A Man
19. Happenings Ten Years Time Ago


The Yardbirds Story (Box Set 2007)

CD 1: 1963-R&B Roots.
 
01. Smokestack Lightning
02. You Can't Judge A Book By Looking At The Cover
03. Let It Rock
04. I Wish You Would
05. Who Do You Love
06. Honey In Your Hips
07. Bye, Bye, Bird (With Sonny Boy Williamson)
08. Mister Downchild (With Sonny Boy Williamson)
09. The River Rhine (With Sonny Boy Williamson)
10. 23 Hours Too Long (With Sonny Boy Williamson)
11. A Lost Care (With Sonny Boy Williamson)
12. Pontiac Blues (With Sonny Boy Williamson)
13. Take It Easy, Baby (With Sonny Boy Williamson)
14. Out On The Water Coast (With Sonny Boy Williamson)
15. Western Arizona (With Sonny Boy Williamson)
16. Take It Easy, Baby (With Sonny Boy Williamson)
17. Do The Weston (With Sonny Boy Williamson)
18. Baby, What's Wrong

CD 2: 1964-Early Studio & At The Marquee.
 
01. Boom, Boom
02. Honey In Your Hips
03. Talkin' Bout You
04. I Wish You Would (Demo)
05. A Certain Girl (Demo)
06. Slow Walk (With Sonny Boy Williamson)
07. Highway 69 (With Sonny Boy Williamson)
08. My Little Cabin (With Sonny Boy Williamson)
09. Too Much Monkey Business
10. Got Love If You Want It
11. Smokestack Lightning
12. Good Morning, Little Schoolgirl
13. Respectable
14. Five Long Years
15. Pretty Girl
16. Louise
17. I'm A Man
18. Here 'Tis
19. I Wish You Would
20. A Certain Girl
21. Good Morning, Little Schoolgirl (Backing Track)
22. Good Morning, Little Schoolgirl (Backing Track Plus Harmonica)
23. Good Morning, Little Schoolgirl (Master)
24. I Ain't Got You

CD 3: 1965/66-Big Hits & America Calling.
 
01. For Your Love
02. Got To Hurry (Take 2)
03. Got To Hurry (Take 3 Master)
04. Got To Hurry (Take 4)
05. Putty (In Your Hands)
06. Sweet Music (Take 3)
07. Sweet Music (Take 4)
08. I'm Not Talkin'
09. I Ain't Done Wrong
10. My Girl Sloopy
11. Heart Full Of Soul (Sitar Version)
12. Heart Full Of Soul
13. Steeled Blues
14. Evil Hearted You
15. Still I'm Sad
16. Shapes Of Things
17. Shapes Of Things (Alternate Mix)
18. You're A Better Man Than I
19. I'm A Man
20. New York City Blues
21. Train Kept A-Rollin'
22. Paff...Bum
23. Questa Volta
24. Mr. Zero (With Keith Relf)
25. Knowing (With Keith Relf)
26. New York City Blues (Stereo Remix)

CD 4: 1966/67-An Eye View Of Beat.
 
01. Jeff's Blues (Take 1)
02. Jeff's Blues (Take 2)
03. Someone To Love, Part One (Take 2, Instrumental)
04. Someone To Love, Part One (Take 4, Instrumental)
05. Someone To Love, Part One (Take 14, Instrumental)
06. Someone To Love, Part One (Take 15, Vocal)
07. Someone To Love Part Two
08. Like Jimmy Reed Again
09. Chris' Number (Take 1)
10. Pounds And Stomps (Xyz)
11. Pounds And Stomps
12. What Do You Want (Take 1)
13. What Do You Want (Take 2)
14. What Do You Want (Take 3)
15. What Do You Want (Take 4)
16. Here 'Tis (Stereo Instrumental Version)
17. Here 'Tis (Version For Ready Steady Go.)
18. Crimson Curtain (Edit Of Take 1)
19. Stroll On
20. I'm A Man (Live In Germany, 1967)
21. Shapes Of Things (Live In Germany, 1967)

CD 5: Bonus Live! Blueswailing July 64.
 
01. Someone To Love Me
02. Too Much Monkey Business
03. I Got Love If You Want It
04. Smokestack Lightning
05. Good Morning Little Schoolgirl
06. She Is So Respectable - Humpty Dumpty
07. The Sky Is Crying


Glimpses 1963-1968 (Box Set 2011)
 

CD 1: 1963-'64.
 
01. Honey In Your Hips (Alternate Studio Take)
02. Baby What's Wrong
03. Eric Clapton-Interview
04. I Wish You Would
05. You Can't Judge A Book By Its Cover (Studio Demo)
06. Jim McCarty-Interview
07. Louise
08. Eric Clapton-Interview
09. Someone To Love
10. Too Much Monkey Monkey Business
11. I Got Love If You Want It
12. Smokestack Lightning
13. Good Morning Little Schoolgirl
14. Respectable
15. The Sky Is Crying
16. Eric Clapton-Interview
17. I Wish You Would
18. Chris Dreja-Interview
19. I'm A Man
20. Someone To Love
21. Boom Boom
22. I'm A Man
23. Little Queenie
24. Too Much Monkey Monkey Business
25. Respectable
26. Carol
27. Here 'Tis
28. Jim McCarty-Interview

CD 2: 1965.
 
01. Evil Hearted You, Keith Relf-Introduction (27th Sept.)
02. Keith Relf-Interview
03. Heart Full Of Soul - Paul Samwell-Smith-Interview (1st June)
04. Chris Dreja-Interview
05. I Ain't Done Wrong (3rd July)
06. Jim McCarty-Interview
07. Smokestack Lightning (Full Version) (16th Nov.)
08. You're Better Man Than I - Interview (16th Nov.)
09. The Train Kept A-Rollin' (16th Nov.)
10. Jim McCarty-Interview
11. I'm Not Talking (16th March)
12. Keith Relf-Interview
13. I'm A Man (9th April)
14. Keith Relf-Interview
15. Jeff's Boogie (9th June)
16. Keith Relf-Interview
17. Steeled Blues (1st June)
18. Louise (4th June)
19. Keith Relf-Interview
20. I Wish You Would (6th Aug.)
21. Love Me Like I Love You (9th Aug.)
22. The Stumble (27th Sept.)
23. Paul Samwell-Smith-Interview
24. You're Better Man Than I
25. The Train Kept A-Rollin'
26. Chris Dreja-Interview
27. I've Been Trying (9th June)
28. Shapes Of Things-Interview
29. Paul Samwell-Smith-Interview
30. For Your Love (Long Version)
31. My Girl Sloopy (Long Version)
32. I'm A Man (Live)
33. I Wish You Would (Live)
34. "McLeans" Advert

CD 3: 1965-'66.
 
01. Happenings Ten Years Time Ago (26th July, 20th Sept. - 2nd Oct. '66)
02. Keith Relf-Interview
03. Psycho Daisies
04. Stroll On (With Soundtrack Coda)
05. Chris Dreja-Interview
06. "Great Shakes" Advert
07. I Wish You Would
08. I'm A Man
09. The Train Kept A-Rollin' (Live)
10. Over Under Sideways Down (Live)
11. Shapes Of Things (Live)
12. He's Always There (Alternate Version)
13. Turn Into Earth (Alternate Version)
14. I Can't Make Your Way (Alternate Version)
15. I'm A Man
16. For Your Love
17. Heart Full Of Soul
18. I Wish You Would (Live)
19. Jim McCarty-Interview
20. Questa Volta (Live)
21. Pafff... Bum (Live)
22. Chris Dreja-Interview
23. The Train Kept A-Rollin' (Live)
24. Shapes Of Things (Live)
25. Jim McCarty-Interview
26. Jimmy Page-Interview
27. Jeff's Boogie (6th May '66)
28. You're Better Man Than I (Live)
29. Keith Relf & Jeff Beck Interview Ravi Shankar (8th June '66)
30. Shapes Of Things (Live)
31. Jim McCarty-Interview
32. Jim McCarty-Interview
33. Chris Dreja-Interview
34. I'm Not Talking (4th June '65)
35. Heart Full Of Soul (9th June '65)
36. Spoonful (9th April '65)
37. Bottle Up And Go (9th April '65)
38. All The Pretty Little Horses (Hushabye) (9th April '65)
39. Jeff Beck-Interview

CD 4: 1967-'68.
 
01. Shapes Of Things
02. Happenings Ten Years Time Ago
03. Over Under Sideways Down
04. I'm A Man
05. Chris Dreja-Interview
06. Shapes Of Things
07. Heart Full Of Soul
08. You're Better Man Than I
09. Most Likely You Go Your Way (And I'll Go Mine)
10. Over Under Sideways Down
11. Little Games
12. My Baby
13. I'm A Man
14. Chris Dreja-Interview
15. The Train Kept A-Rollin'
16. Dazed And Confused
17. Goodnight Sweet Josephine
18. Glimpses (Sound Effects)
19. "The In Sound"
20. Chris Dreja-Interview
21. Think About It (Work-In-Progress)
22. Jimmy Page-Interview
23. Dazed And Confused (Live)
 

CD 5: BBC Radio One 1965-1968.
 
01. I Ain't Got You (22nd March '65)
02. For Your Love - Keith Relf-Interview (22nd March '65)
03. I'm Not Talking (22nd March '65)
04. I Wish You Would (1st June '65)
05. Too Much Monkey Business (6th August '65)
06. Love Me Like I Love You (6th August '65)
07. I'm A Man (6th August '65)
08. Still I'm Sad - Paul Samwell-Smith-Interview (27th Sept '65)
09. My Girl Sloopy (Full Version) (27th Sept '65)
10. Keith Relf Interview (28th Feb' 66)
11. Shapes Of Things (28th Feb' 66)
12. You're A Better Man Than I (28th Feb' 66)
13. Dust My Broom (28th Feb' 66)
14. Baby, Scratch My Back - Keith Relf-Interview (6th May '66)
15. Over Under Sideways Down (6th May '66)
16. The Sun Is Shining (Full Version) (6th May '66)
17. Shapes Of Things (6th May '66)
18. Most Likely You Go Your Way (And I'll Go Mine) (17th March '67)
19. Little Games (17th March '67)
20. Drinking Muddy Water (17th March '67)
21. Think About It (16th March '68)
22. Jimmy Page-Interview-Goodnight Sweet Josephine (16th March '68)
23. My Baby (16th March '68)
24. White Summer (6th March '68)
25. Dazed And Confused (6th March '68)
26. Think About It (6th March '68)
 

Link.

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro

E-mail de contato para links quebrados ou outros problemas: murodoclassicrock@gmail.com

Antes de comentar leia as regras que estão próximas do formulário, comentários desrespeitando as mesmas, não serão publicados e nem atendidos.

14 comentários :

  1. Essa Banda Era Foda! Não Só Porque Habitava Grande Celeiro Elétrico : Clapton,Page ou Beck.
    Mas o Blues Bem Mesclado ao Rock.
    Entre Tantos Clássicos do Rock n Roll(não menosprezando o The Who) Coloco The Yardbirds a terceira excelente classic Rock depois de Beatles e Stones!
    Valeu pelos cds Alex.

    ResponderExcluir
  2. Robson Kramer18/08/2011 08:16

    O The Yardbirds possuem uma grande importância histórica, no que se refere à história do Heavy Metal, pois, foram eles o embrião do que viria ser um dos Pais do Heavy Metal Rock inglês: o Led Zeppelin.
    Além disso, também são importantes como atestado da transição blues/rhythm blues/heavy rock, que se verificou depois no Reino Unido, durante toda a década de 70.
    São um claro exemplo de uma banda composta de jovens brancos que herdaram o autêntico Blues negro de raiz, e o adaptaram às questões existenciais de sua sociedade; traçaram assim, as primeiras linhas do que seria o panorama roqueiro inglês nos anos subsequentes.
    Eu não havia tido a oportunidade de conhecer todas as obras do The Yardbirds na íntegra, como acabei tendo agora, graças ao esforço estóico e Nobre de Nosso Querido Alex, em divulgar trabalhos de tão excelente qualidade.
    Depois da audição de todos os trabalhos deste grupo pioneiro, precursor do Led Zeppelin e da Brilhante carreira solo de Jeff Beck, só tenho que elogiar a Música do The Yardbirds, bem como elogiar e reconhecer o Iluminado empenho de Nosso Alex na veiculação desta Obra Prima, para deleite de todos nós, Roqueiros e amantes do Classic Rock.
    Longa Vida ao Muro, Longa Vida ao Alex !!!

    ResponderExcluir
  3. Sou muito fâ do Led Zeppelin, sempre quis ter o material do Yardbirds, Obrigado !

    ResponderExcluir
  4. Só tenho a agrdecer-lhe por disponibilizar este material, para mim raro, pois sempre quis conhecer a obra dos Yardbirds e não conseguia. Como escreveu o companheiro Robson aí em cima: "Longa Vida ao Muro, Longa Vida ao Alex !!!".
    Ricardo Rocha

    ResponderExcluir
  5. Alex, seja bem vindo, meu irmão!!! Muita paz, saúde, DEUS no coração e rock do bom!!! Espero que esteja tranquilo. Esta luta é dura e contínua. Infelizmente outra porradas virão...mas você é forte!!! Gostaríamos de poder te ajudar, de alguma forma. Seria interessante nossos amigos (me incluo também) apresentarem idéias para podermos te ajudar. Acho que o primeiro passo é encontrarmos um meio seguro de nos comunicarmos. Não aqui no blog!!! De resto "The Yardbirds" é um dos pilares do rock. Você mandou foi muito nesta edição. Meus parabéns!!!
    Benimkus - Niteroi

    ResponderExcluir
  6. Top!
    Thank you very much.
    Absolutely amazing blog here!

    ResponderExcluir
  7. obrigado por su generosidad sin límites,
    por tan excelente blog, por su presentación y la calidad de los materiales.

    Muito, muito obrigado

    Ninguém vai derrumbar o MURO

    ResponderExcluir
  8. Desde Chile,solamente grcias

    ResponderExcluir
  9. Este logotipo do "Yardbirds" é lindo demais !

    ResponderExcluir
  10. Muito obrigado MESMO!!!

    ResponderExcluir
  11. Muchas Gracias,Tremendo Trabajo y Buen Blog.Saludos

    ResponderExcluir
  12. Essa banda é muito legal cara! e digo legal pois o som deles é empolgante, cativante! Bem, agora com o encerramento do maior site de metal que eu conhecia (WOTM) só me basta torcer para que não aconteça nada de ruim com o maior site de ROCK que eu conheço! Parabéns pelo excelente trabalho!pqp Não me canso de comentar elogiando esse blog. PS: Mais um elogio: esse servidor zippyshare é muito bom! simples demais, continuem postando nele! sem duvidas o melhor.

    ResponderExcluir

Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.