Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

5 de abril de 2012

Spy vs Spy - Discografia.

A banda Spy v. Spy foi formada em 1981 em um dos subúrbios mais pobres da cidade de Sydney (Glebe), e acabou se tornando um dos grupos mais verdadeiros (conceituados) de toda Austrália.

Tal conquista se deve ao fato de, frequentemente terem abordado fortes temas como o racismo, os sem tetos (letras que contestavam a sociedade – de forma direta), pois os caras acreditavam em mudanças e sonhavam com um planeta melhor para se viver.

Formado por Mike Weiley (nascido na Inglaterra), Craig Bloxom (americano) e Cliff Grigg (australiano), três pacíficos rapazes que batizaram a banda com o nome Spy v. Spy. Mais tarde tiveram que mudar para v. Spy v. Spy, pois uma revista de quadrinhos (Mad Magazine) já havia registrado o nome anteriormente.

As primeiras gravações da banda foram o single “Do What You Say”/“Table Tea and Mix” (lançado em abril de 1982) e o EP “Four Fresh Lemons” (lançado em agosto do mesmo ano).

Estes primeiros trabalhos mostraram uma forte influência de ska em sua música, estilo que despertou um certo interesse de toda uma galera que freqüentava os pubs locais, como o Sussex Hotel na época. Lugares como este formavam o famoso circuito pub, muito freqüentado por amantes da cerveja e da boa música. Gradualmente a banda foi substituindo o ska pelo “pub rock sound”, estilo apreciadíssimo no começo dos anos 80 na cidade de Sydney.

Com um pequeno impacto na cena local em 1982, o v. Spy v. Spy apresentou alguns problemas no começo de 1983, talvez o pior ano de toda sua carreira.

Para começar o baixista Craig Bloxom saiu da banda para integrar o “The Numbers in March”, banda em que ficou por apenas 6 meses. Durante este período um novo guitarrista, Marcus Phelan (ex-Numbers in March) entrou no v. Spy v. Spy. Dando continuidade aos problemas, outro membro do Spy - desta vez Weiley, ficou muito doente, tendo que ficar confinado em uma cama de um hospital por um longo período.

Também durante 1983 toda a aparelhagem da banda foi roubada, e por fim o recém chegado guitarrista Phelan resolveu deixar o grupo definitivamente.
Para melhorar um pouco o cenário astral dos caras foi neste mesmo ano que conseguiram um manager de peso. Trata-se de Gary Morris (Midnight Oil). A partir de então a banda lançou um mini-álbum chamado “Meet Us Inside” (outubro de 1984) e o single “One of a Kind”/“Where are We Going?” (novembro de mesmo ano).

O primeiro álbum da banda foi “Harry’s Reasons” (março de 1986), um álbum extremamente forte, com letras que abordaram temas sociais e políticos. O título do álbum foi uma homenagem da banda a seu amigo Harry, usuário e viciado em heroína. Outra música como “Give Us Something” foi uma crítica dirigida a mídia - e “Injustice”, está dedicada a arte aborígine (muito desvalorizada pela sociedade Australiana).

Depois do lançamento do primeiro álbum seguiram 3 singles: “Injustice”/“The Wait” (agosto de 1985), “Give Us Something”/“Dangerman” (fevereiro de 1986) e “Harry's Reasons”/“All Over the World” (maio). Mais tarde o v. Spy v. Spy contribuiu com a música “Injustice” na coletânea “Burning Bridges”, lançada pela CBS em 1989.

Em 1986 a banda assinou um contrato com a WEA, onde lançaram o álbum “A.O. Mod. T.V. Ver.” em novembro daquele ano. Deste trabalho 3 novos singles foram lançados: “Don't Tear It Down”/“Go to Work”, “Sallie-Anne”/“Use Your Head” e “Credit Cards”/“The Wait”, todos lançados em 1986. A música “Don’t Tear It Down” foi escrita em protesto a demolição de prédios históricos na cidade de Sydney. Essa música acabou se tornando o primeiro hit da banda, chegando a ficar com a 11ª posição nas paradas australianas.

Recebendo disco de platina pela venda superior a 70 mil cópias, “A.O. Mod T.V. Ver.” foi destaque também entre os melhores álbuns lançados entre 1986 e 1987.

Lançado durante as comemorações do Bicentenário australiano em 1988, o quarto álbum do Spy, “Xenophobia (Why?)”, chegou em uma época oportuna. Este álbum assim como os anteriores também incluiu 3 singles: “Forget About the Working Week”/“Flares” (dezembro de 1987), “Clarity of Mind”/“Mingle'n' Mix” (maio de 1988) e “Waiting”/“Back on the Track” (agosto). Além da Austrália o álbum “Xenophobia (Why?)” foi lançado também em outros 14 países pela WEA.

No começo de 1989 o v. Spy v. Spy seguiu para a Inglaterra, onde gravaram seu quinto álbum nos estúdios da “The Manor Studio”, com o produtor Craig Leon (Ramones, Blondie, The Bangles). O álbum foi “Trash the Planet”, lançado apenas em novembro daquele ano. Segundo a crítica especializada australiana o álbum “Trash the Planet” é considerado até hoje o trabalho mais conciso e refinado do v. Spy v. Spy.

Já no final de 1991 o baterista Cliff Grigg resolveu abandonar o grupo para entrar como percussionista em uma banda chamada Mixed Relations. Para seu lugar foi convidado Mark Cuffe (ex-Ludwigs).

Depois de um ano todo afastados dos palcos o v. Spy v. Spy saiu em turnê para promover um novo álbum, a coletânea “Best of Collection, The Spy File”. Depois desta turnê promocional o Spy assinou um contrato com a Sony, por onde lançaram apenas um álbum, “Fossil”, em maio de 1993. “Fossil” originou os singles “Comes a Time” e “One Way Street”, está última um clássico da banda.

Em 1994 os membros do v. Spy v. Spy se separaram. A partir daí Bloxom e Cuffe resolveram experimentar novos instrumentos e novos músicos. Mark Cuffe (baterista) se arriscou nas guitarras e vocais. Os dois ainda recrutaram o respeitado baterista Paul Wheeler (ex-Icehouse) e formaram uma nova banda - Shock Poets.

Com o Shock Poets eles foram para os EUA para tocar em algumas casas em New York. Em uma das apresentações se encontraram com o produtor Jim Nickel que acabou produzindo o primeiro álbum do Shock Poets “Bait”, em seu estúdio em Minneapolis (local onde a banda Soul Asylum havia gravado um álbum). O lançamento de “Bait” e do single “Never Should Have Bothered You” aconteceram em novembro de 1995, época que retornaram a Austrália e iniciaram uma pequena turnê.

Não satisfeitos com os resultados obtidos através do Shock Poets eles resolveram reformular o v. Spy v. Spy em 1996, e deixar o Shock Poets de lado. Com o Spy reformulado eles partiram para uma turnê no Brasil e descobriram que eram imensamente populares. Decidiram então ficar no Brasil onde permaneceram até 1997.

De volta a Austrália eles lançaram um novo álbum, “The Honey Island Project” (abril de 1998). Este trabalho não foi bem recebido, mas mesmo assim continuaram em turnê pela Austrália promovendo o álbum.

Em 1999 o baterista Paul Wheeler (ex-Icehouse e Shock Poets) entrou para o v. Spy v. Spy. Wheeler foi apresentado a Craig por Mark Cuffe, antigo companheiro de banda no Shock Poets. Wheeler além de tudo era um grande fã do Spy, o que facilitou muito na hora dos ensaios pois conhecia bem o trabalho do grupo.

As turnês de 1999 tanto na Austrália como no Brasil tiveram a presença de Wheeler. Em sua primeira visita ao Brasil Wheeler estranhou a popularidade da banda e a quantidade de público presente aos shows.

Ainda em 1999 a Festival Records colocou no mercado uma nova coletânea do Spy chamada “Mugshot: The Best of…”. Todos os clássicos da banda como “Trash the Planet”, “Injustice” e “Don’t Tear it Down” estão presentes neste CD, que traz ainda 5 faixas inéditas.

Em janeiro de 2003 altos e baixos na banda. A baixa foi a saída do baterista Paul Wheeler, e a alta o lançamento do primeiro álbum “ao vivo” do Spy gravado no Brasil. O álbum leva o nome de “Meet Us Alive”, e contém 8 faixas bem selecionadas pelo grupo, entra elas “All Over the World”, “Trash The Planet”, “Hard Times”, “Golden Mile”, “Don’t Tear It Down”, “Working Week”, “Waiting” e “White Room”. Texto: Andre Chaves Nunes (Letras). 

Integrantes.

Neil Beaver - Guitarra, Backing Vocals (2006-At)
Craig Bloxom - Baixo, Vocais (1980-1983, 1984-2003)
Mark Cuffe - Bateria, Guitarra, Backing Vocals (1992-1997, 2006-2008)
Cliff Grigg - Bateria, Percussão (1980-1983, 1984-1991)
Leis Mick - Bateria (2006-Presente)
Marcus Phelan - Guitarra (1983)
Michael Weiley - Guitarra, Vocais (1980-1983, 1984-2003, 2006-
At)
Paul Wheeler - Bateria (1997-2003)
Dave Wilkins - Vocais (2009-2011)
Paul Greene - Vocal, Guitarra (2011-
At)

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro


 Álbuns.

Harry's Reasons? (1986)
01. All Over the World
02. Something
03. Learn to Laugh
04. Shirt of a Happy Man
05. Out and Dreaming
06. Harry’s Reasons?
07. Way of the World
08. The Wait
09. Iron Curtain
10. Injustice
Bonus Tracks.
11. Good For Business
12. The Wait (Instrumental) 


Link.

A.O. Mod. TV. Version (1986)
01. Don't Tear it Down
02. Credit Cards
03. Mission Man
04. Pockets of Pride
05. Go to Work
06. Sallie-Anne
07. Snowblind
08. Use your Head
09. Peace and Quiet
10. Take Me Away
 


Link.

Xenophobia (Why?) (1988)
01. Test of time
02. The Golden Mile
03. Free the Future
04. Waiting
05. Working Week
06. A.O Mod
07. Clarity of Mind
08. Soldiers
09. Mingle 'n' Mix
10. Back on the Track
11. Relax 


Link.

Trash the Planet (1989)
01. Hardtimes
02. What the Future Holds
03. Take It or Leave It
04. Our House
05. Have no Fear
06. Clear Skies
07. Trash the Planet
08. Hooligans
09. Don't Fall Asleep at the Wheel
10. A New Start
11. Oceania
Bonus Tracks.
12. Is That All There Is (Live) 
13. The Gathering (Live) 

Link.

Fossil (1993)
01. Comes a Time
02. This World
03. Stand Out
04. Because
05. Home Sweet Home
06. Hard Way
07. Bulimia
08. Head in Hands
09. The Gathering
10. One Way Street
11. So Fast 


Link.

Honey Island Project - Honey Island (1998)
01. All in Good Times
02. Calling Card
03. All by Yourself
04. Australia
05. Honey Island
06. Angry Feelings
07. One Rose
08. Im Calling
09. Vegetable
10. Animal
11. New Idea
12. Things Dont Seem
13. Saudades 


Link.

Feito na Praia (2003)
01. All Over
02. Trash
03. Hard.
04. Golden Mile
05. Tear
06. Waiting
07. Working Week
08. White Room (Cream Cover) 


Link.

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro

E-mail de contato para links quebrados ou outros problemas: murodoclassicrock@gmail.com

Antes de comentar leia as regras que estão próximas do formulário, comentários desrespeitando as mesmas, não serão publicados e nem atendidos.

16 comentários :

  1. Valeu Alex! Brigadão, djow!
    Clarity of miiiiiiind!

    ResponderExcluir
  2. Excelente banda australiana com suas guitarras marcantes e contagiantes!
    Valeu Muro pelo presentão!!
    Abs!

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia. Considero um rock muito bom!!!! Valeu pela dica Alex!!!

    ResponderExcluir
  4. Excelente Trabalho este que vocês prestam, para quem gosta de música esse é o lugar certo, parabéns e muito obrigado.
    Roberto de Jesus

    ResponderExcluir
  5. cara tava atras de algo spy faz tempo fui no youtube,4 shared tudo quanto é site de dowloads e não achava....eu me elmbro de ter um best of quando eu tinha 14 anos e nunca mais tinha achado nada..até encontrar esse blog, valeu ai...detalhe 1 to com 34 anos agora..detalhe 2 to fazendo a maior propaganda desse blog no facebook,OBRIGADO DE NOVOOOOOOOOO!!!!!

    ResponderExcluir
  6. A 5 anos curto este blog, bah aqui tive a oportunidade de conhecer muitas bandas e ouvir coisas que faz anos que não ouvia. Spy mesmo arrepiou, fazia muito tempoooo. Parabéns

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  8. Eles (banda e produtores) estranharam a popularidade do Spy no Brasil. É porque eles não sabiam o quanto a surf music foi difundida em nosso país nas décadas de 80-90. Spy, junto com Midnight Oil e Hodoogurus são as mais clássicas neste estilo. Fui no show deles em 97. Eu considero "Credit Cards" e "All Over The World" as melhores músicas já feitas para a prática do surf. Experimente ouvir enquanto surfa. Clássico demais.

    ResponderExcluir
  9. Sem esquecer é claro das igualmente clássicas: "AO MOD TV VERS" e "Dont' Tear It Down". A primeira era abertura do falecido "Realce", um programa de tv aqui do RS. Parabéns e obrigado pelo incrível Blog.

    ResponderExcluir
  10. Influência brasileira no Spy! A "Honey Island" do título do último cd é a "Ilha do Mel" no Paraná?! E a última música chamada "saudades". Título e palavra bem brasileira, não acham?

    ResponderExcluir
  11. Valeu! procurava Spy Vs Spy e não achava. Demais.

    ResponderExcluir
  12. valeu essa banda rolou em curitiba em 1996 tive o prazer de ver ao vivo mas e bom recordar do tempo bom um abraco

    ResponderExcluir
  13. Marcou muito minha vida...Melhor "Australian Surf Music"

    ResponderExcluir
  14. Obrigado ! melhores lembrancas da minha vida

    ResponderExcluir
  15. Aqui na minha região munca tinha ouvido spy, quando começei a ouvir nao quis mais parar. Obrigado pelas musicas... dá para notar o qualidade do seu blog, com postagens em servidores faceis de baixar a organização, tudo perfeito. Abraços e sucesso

    ResponderExcluir

Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.