Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

30 de dezembro de 2015

Nick Drake - Discografia.

Nicholas Rodney Drake (Rangum, 19 de junho de 1948 — Warwickshire, 25 de novembro de 1974), conhecido como Nick Drake, foi um cantor e compositor britânico, nascido na antiga Birmânia. A origem deve-se ao trabalho do pai: quando tinha quatro anos, a família de Nick mudou-se de volta para Inglaterra. 

É conhecido por suas canções com temas outonais e melancólicos e por sua técnica virtuosa ao violão, chegando a ser considerado um dos compositores mais influentes dos últimos cinquenta anos. Seus três discos oficiais foram incluídos, depois de décadas, entre os melhores da história, como em listas das revistas Rolling Stone e TIME. 

Os Drakes viveram numa pequena vila chamada Tanworth-In-Arden, numa grande casa de tijolos vermelhos a que chamavam "Far Leys". Ainda criança, aprendeu a tocar piano, graças à mãe, Molly Drake, pianista, violoncelista, cantora e compositora. De família rica, estudou nos melhores colégios da Inglaterra, entre os quais Marlborough, onde aprendeu a tocar clarinete e saxofone. 

Em 1967, Nick ingressou na Universidade de Cambridge para estudar Literatura. Iniciou, também, apresentações em festivais, nos quais diz-se que impressionava a todos com seu talento para compor e pela habilidade peculiar com que tocava o violão, instrumento que lhe fora ensinado por um amigo de colégio. Na década de 1960, a ideia de aprender tal instrumento foi repreendida pela família, que o considerava de mau gosto e como um símbolo rebelde. 

Biografia.

Nicholas Rodney Drake nasceu em 19 de junho de 1948, em uma família de classe média-alta na Birmânia. Seu pai, Rodney (1908–1988) mudou-se para lá na década de 1930 para trabalhar como engenheiro na Bombay Burmah Trading Corporation. Em 1934, Rodney encontrou a filha de um alto funcionário da Indian Civil Service, Mary Lloyd (1916–1993), mais conhecida por sua família como Molly. Rodney propôs o casamento entre ambos em 1936, mas por imposições da família daquela, teve de esperar até que completasse vinte anos. Na década de 1950, retornaram a Tanworth-in-Arden, uma vila de Warwickshire, para viver em Far Leys. Drake teve uma irmã mais velha, Gabrielle Drake, posteriormente reconhecida como atriz. Seus pais apresentavam inclinações musicais: também eram compositores. Em particular, gravações feitas por sua mãe reveladas após a morte do filho, revelam grande semelhança melódica entre ambos. Mãe e filho partilham da uma mesma frágil voz, e tanto Gabrielle quanto Dan Trevor notaram também as trágicas histórias cantadas. Incentivado por Molly, Drake aprendeu a tocar piano quando criança, e começou a compor suas primeiras melodias. 

Em 1957, Drake se inscreveu na Eagle House School, uma escola preparatória. Cinco anos mais tarde, ele ingressa em Marlborough College, Wiltshire, onde seu pai, avô e bisavô haviam estudado. Ele desenvolveu interesse por esportes, até hoje é detentor do recorde de 100 metros rasos do colégio. Foi capitão da equipe de rugby, seus colegas lembram que neste tempo ele era um "calmo autoritário". Seu pai lembrou que "em um dos seus relatórios o diretor escreveu que ninguém sabia plenamente quem era Nick Drake. 

Aprendeu clarinete e saxofone e se apresentava com a banda da escola. Entre 1964 e 1965, ele formou uma banda com outros quatro amigos. Era principalmente o pianista, ocasionalmente contribuiu com saxofone e vocais. Intitulado The Perfumed Gardeners, o grupo realizava versões de Pye, bem como números de The Yardbirds e Manfred Mann. Foi logo expulso por seu gosto musical, visto como pop demais para os outros integrantes. Em Marlborough, ele começou a negligenciar os seus estudos em favor da música. Em 1965, Drake pagou treze libras esterlinas por seu primeiro violão e logo começou com experimentalismos, como afinação própria. 

Em 1966, ganhou uma bolsa para estudar Literatura Inglesa na Universidade de Cambridge. Ele atrasou seu ingresso, pois estava na Universidade de Aix, em Marseille, França — o início é em fevereiro de 1967. Enquanto em Aix, ele começou a praticar guitarra acústica a sério, e para ganhar dinheiro, se apresentava com amigos no centro da cidade. Drake começou a fumar maconha, e naquela primavera ele viajou com amigos para o Marrocos. Provavelmente, teve sua primeira experiência com LSD enquanto em Aix. As letras escritas durante este período — em especial a canção "Clothes of Sand" — sugerem o uso de alucinógenos. 

Após retornar à Inglaterra, ele passou a viver com sua irmã, Gabrielle Drake, em Hampstead, Londres, antes de serem admitidos em Cambridge, em outubro. Seus tutores o descreviam como aluno brilhante, porém com pouco interesse em explorar suas habilidades. Ele tinha dificuldade de relacionamento com os outros alunos. Em Cambridge, praticava rugby, e sua estatura de 191 cm o destacava nesse esporte. Interesse perdido logo depois; preferia ficar em seu quarto de colégio fumando maconha, ouvindo e tocando música. 

Em setembro de 1967, ele conheceu Robert Kirby, estudante de música que orquestraria muitos arranjos de corda para os dois primeiros discos de Nick Drake. Por este tempo, Drake tinha descoberto o folk inglês e outros compositores. Foi influenciado por artistas, como Bob Dylan, Josh White, Phil Ochs e Jackson C. Frank. 

Começou a realizar apresentações em clubes locais e cafés de Londres, e em fevereiro de 1968, foi descoberto por Ashley Hutchings, da banda Fairport Convention. Hutchings recorda ter ficado impressionado com sua habilidade como guitarrista. Nick foi recomendado a Joe Boyd, famoso por suas produções, entre elas, as de Pink Floyd e Jimi Hendrix. 

Nick Drake era considerado uma pessoa elegante, gerando alguma atenção por parte do público feminino. Além da sua elegância, era uma pessoa calma e introvertida. Não tinha muitos amigos e ninguém sabia exatamente o que se passava na sua mente. Costumava ficar muito tempo sozinho, onde aproveitava para melhorar as suas técnicas com a guitarra. Segundo algumas fontes, o cantor nunca teve um relacionamento amoroso, que fez com que alguns dos seus amigos suspeitassem de uma possível homossexualidade, embora tal facto nunca tenha sido confirmado. Drake era uma pessoa sensível, magoava-se com facilidade. 

Five Leaves Left.

O álbum foi lançado em setembro de 1969. Contou com a participação de artistas folk de Londres, como o guitarrista Richard Thompson, e o baixista Danny Thompson, integrante da banda Pentangle. Inspirado pela produção de John Simon e do primeiro álbum de Leonard Cohen, Joe Boyd queria um disco intimista. 

As primeiras gravações não iam bem, as sessões eram irregulares e apressadas, o estúdio foi emprestado a banda Fairport Convention para gravação do álbum Unhalfbricking. Surgiram tensões entre artista e produtor quanto à direção que o álbum deveria seguir. Boyd defendia o uso das inúmeras possibilidades de um estúdio, enquanto Drake preferia algo mais orgânico. 

Danny já havia percebido a inquietude de Drake com as gravações das primeiras sessões. Ambos estavam descontentes com a contribuição da Hewson, o primeiro arranjador, que sentiam ser muito técnico para as canções. Drake sugeriu a contratação do amigo Robert Kirby, embora Boyd não quisesse que um músico amador, ainda aluno, realizasse a gravação de um disco. No entanto, ele ficou impressionado com algumas gravações anteriormente feita pelos dois. Kirby já havia apresentado a Drake alguns arranjos para suas canções. Ambos, porém, não se sentiam confiantes o suficiente para compor a peça central do álbum, "River Man", e Boyd foi obrigado a aumentar o orçamento para contratar o veterano compositor Harry Robinson, com a instrução de ecoar compositores clássicos, como Frederick Delius e Maurice Ravel. 

Pós-produzido, dificuldades levaram o adiamento do lançamento do disco por vários meses. Quando foi finalmente lançado, os comentários na imprensa musical foram poucos e apáticos. Em julho, Melody Maker referiu-se ao álbum como "poético" e "interessante". NME escreveu em outubro que "quase não havia variedade suficiente para torná-lo divertido". É recebido pouco apoio, a não ser do programa de John Peel, que ocasionalmente tocava algumas faixas. Drake estava descontente com o modo com que o disco foi impresso, com a ordem de execução diferente das faixas e omissão de trechos gravados no estúdio. 

Ele foi muito sigiloso. Eu sabia que ele estava fazendo um álbum, mas eu não sabia que o trabalho já estava concluído até que ele entrou no meu quarto e disse: "Aqui está". Ele jogou-o sobre a cama e caminhou para fora.  — Entrevista concedida por sua irmã, Gabrielle Drake. 

Bryter Layter.

Drake encerrou seus estudos em Cambridge apenas nove meses antes da formatura, e, em 1969, mudou-se para Londres para dedicar-se à sua carreira musical. Seu pai se lembra de "escrever longas cartas a ele, apontando as inconveniências de ir para longe de Cambridge. Nelas, dizia que a graduação era uma maneira de obter segurança, se acaso a conseguisse, teria algo para fazer, mesmo se falhasse. Sua resposta ao pai foi que segurança era a única coisa que ele não desejava. 

Seus primeiros meses em Londres foram inconstantes, ocasionalmente ficava na casa da irmã, mas muitas vezes dormia na casa de amigos, sobre o sofá e até no chão. Em uma tentativa de trazer alguma estabilidade para a vida de Nick, Boyd montou e pagou por um apartamento térreo em Belsize Park, Camden. 

Em agosto, havia gravado três canções solo pela BBC, nas sessões de John Peel. Dois meses mais tarde, ele abriu o concerto do Fairport Convention, no Royal Festival Hall em Londres. Seguido por aparições em clubes folks de Birmingham e Hull. Lembrando o desempenho em Hull, o cantor folk Michael Chapman comentou: "Não havia canções folks como as dele… O público perdia completamente o ponto. Ele não disse uma palavra toda a noite. Foi realmente muito triste assistir. Eu não sei o que o público esperava, quero dizer, eles não deviam saber que eles não estavam indo assistir um espetáculo convencional, mas um show de Nick Drake." Com isso, reforçou a decisão de parar de fazer coisas que não queria. Poucos foram os concertos, eram geralmente breves, desagradáveis, e sem a atenção do público. Drake parecia disposto a interpretar suas canções, raramente abordava a sua plateia. Como muitas de suas canções necessitavam de uma afinação diferente, parava o concerto para afinar seu instrumento e depois apresentava a próxima canção. 

Embora a reconhecimento gerado por Five Leaves Left tenha sido pequeno, Boyd estava interessado em construir um novo disco com uma dinâmica parecida. Bryter Layter, novamente produzido por Boyd e tendo Wood como engenheiro, é mais alegre, com elementos do jazz. Decepcionado por sua estreia com pequeno desempenho comercial, Drake tentou abandonar seu estilo pastoral e concordou com seu produtor e sugestões do baixista e baterista que tocaram nas gravações. "Foi mais que um som pop, suponho eu", disse Boyd mais tarde, "Eu imaginava que o disco tivesse mais sucesso comercial". 

Tal como o seu antecessor, o álbum tem a ajuda músicos da banda Fairport Convention, bem como contribuições de John Cale, integrante da banda Velvet Underground. Trevor Dann constatou que, embora a sessões de "Northern Sky" tenha mais características de Cale, a canção foi o mais próximo que Drake chegou de lançar um sucesso comercial. Em 1999, em autobiografia, Cale admite ter usado heroína durante este período, e um antigo amigo, Brian Wells, suspeita que Drake também tivesse usado. 

Tanto Boyd quanto Wood ficaram confiantes de que o álbum seria um sucesso, mas ele vendeu menos de três mil exemplares. As críticas foram novamente variadas: enquanto a Record Mirror elogiou Drake como "um ótimo violonista, límpido, e acompanhado com suaves e maravilhosos arranjos", Melody Maker descreveu o álbum como "uma mistura de folk e uma desagradável fusão jazzística". 

Ele era uma pessoa muito calada. Foi difícil descobrir o que se passava em sua mente. Ele fazia música com uma verdadeira sensualidade – muito diferente da música folk inglesa. — John Cale, tocou piano e viola nas canções "Fly" e "Northen Sky". 

Logo após o lançamento, Boyd vendeu a Island Records e se mudou para Los Angeles, foi trabalhar com a Warner Brothers para o desenvolvimento de trilhas sonoras para filmes. A perda de seu mentor, além das escassas vendas do álbum, levaram Drake a ser assolado pela depressão. Sua atitude em Londres havia mudado: ele estava descontente, visivelmente nervoso e desconfortável com o desempenho de uma série de concertos no início de 1970. Em junho, Drake fez uma de suas últimas apresentações no Ewell Técnico College, em Londres. Ralph McTell, que também se apresentou naquela noite lembra que "Nick foi monossilábico. Nesse evento ele estava muito tímido. Fez o primeiro parte e algo terrível deve ter acontecido. Ele estava interpretando sua canção, "Fruit Tree", e algumas pessoas andaram ao seu lado. Em seguida ele deixou o palco.". Sua frustração tornou-se depressão. 

A Island Records estava interessada que Drake promovesse Bryter Layter através da imprensa, entrevistas e sessões de rádio. Drake, por esta altura, fumava, segundo Boyd "uma inacreditável quantidade de maconha" e expondo "os primeiros sinais de psicoses". Até o inverno de 1970, ele havia se isolado em Londres. Decepcionado pelo insucesso do disco, ele criou um pensamento individualista e abandonou a família e seus amigos. Ele raramente deixava o seu apartamento, a não ser para algum concerto ou para comprar drogas. "Este foi um mau tempo", recordou sua irmã. 

Pink Moon.

O álbum foi lançado em fevereiro de 1972. Embora Island não quisesse um terceiro álbum, Drake procurou Wood em outubro de 1971 para começar a trabalhar no que seria seu último disco. As sessões duraram duas noites, tendo apenas Drake e seu engenheiro no estúdio. As sombrias faixas de Pink Moon são curtas, as onze canções do disco têm apenas vinte e oito minutos. Drake tinha manifestado descontentamento com o som de Bryter Layter, e acreditava que cordas, bateria e saxofone, criaram um som muito cheio, muito elaborado. Drake não é acompanhado em Pink Moon; apenas na canção título ele mesmo tocou piano. "Ele foi muito determinado em fazer de forma natural, um registro cru", Wood recorda. "Ele definitivamente queria ser ele mais do que qualquer coisa. E eu acho que, em alguns aspectos, Pink Moon é o disco mais ao seu estilo". 

Após a conclusão do álbum, Drake entregou as fitas-mestre no balcão da Island Records. Ele colocou-as junto a uma recepcionista do balcão e saiu sem falar com ninguém. As fitas ficaram lá durante o fim de semana, foram percebidas mais tarde, na outra semana. Uma crítica para o álbum feita pela revista Melody Maker em fevereiro começava com "Pink Moon - O disco mais recente de Nick Drake: a primeira era do que ouvimos está acabada". O álbum vendeu menos cópias do que seus antecessores, embora com algumas críticas favoráveis. 

Nick Drake nunca é um artista fingido. O álbum faz uma concessão de que a música deve ser escapista. É apenas a visão de um músico sobre a vida naquele momento e você não pode perguntar mais que isso. — Crítica musical de 1972, feita por Connor McKnight. 

O fundador da gravadora, Chris Blackwell sentia que Pink Moon tinha potencial para popularizar Nick Drake, porém, sua equipe ficou desapontada pelo desinteresse do artista em empreender qualquer atividade promocional. Muff Winwood recorda-se "passando a mão na cabeça" frustrado, e admite que, apesar do entusiástico apoio Blackwell, o resto de nós queria abandoná-lo. 

Depois da insistência de Boyd, Drake concordou em conceder uma entrevista a Jerry Gilbert, da Sounds Magazine. Em entrevista única, nunca publicada, o tímido e introvertido cantor folk falou sobre sua antipatia em fazer as coisas que não gostava. "Não houve qualquer nexo", disse Gilbert. "Não creio que ele fez contato comigo ou olhou-me alguma vez". Abandonou a carreira musical, procurou outras profissões, cogitou entrar para o exército. 

Depressão.

Voltou a casa dos pais e o seu estado psicológico piorou bastante. Não gostava de apresentar-se ao vivo, quando o fazia, sempre ficava com a cabeça baixa, olhos fechados e não se comunicava com a plateia. Apesar disso, supria extrema necessidade de se tornar famoso e reconhecido: algumas vezes ligou para estranhos e perguntou se já tinham ouvido falar de um cantor chamado Nick Drake. 

Em 1971, foi persuadido pela família a visitar um psiquiatra no hospital St Thomas's, em Londres. Foi-lhe prescrito anti-depressivos, mas ele se sentia desconfortável e envergonhado em tomá-los e tentou esconder o fato de seus amigos. Ele estava preocupado com a forma com que os medicamentos iriam reagir com o uso constante de maconha. Foi a cada disco deixando mais e mais as apresentações ao vivo, e na época do lançamento de Pink Moon, se recusou a promover a divulgação do álbum. Voltou para casa dos pais e seu estado psicológico piorou muito. Sofreu uma crise nervosa, o que o deixou hospitalizado por cinco semanas. 

Eu não sinto nenhuma emoção sobre nada.
Eu não quero rir nem chorar.
Estou dormente; morto por dentro. — Nick Drake, no auge da depressão.
 

Decidiu largar a música e tentar arranjar um emprego. Desistiu disso, e no resto de seus dias fazia viagens ocasionais a Londres e à França, onde visitava amigos. Costumava aparecer sem avisar, ficava por um dia ou às vezes por uma semana e ia embora da mesma maneira que chegara. Ele, que antes era um rapaz de poucas palavras, parou de falar. Ocasionalmente conversava com a mãe ou com um de seus melhores amigos, mas eram raras as ocasiões em que ele falava algo que não fossem monossílabos ou grunhidos. Certa vez, disse a sua mãe, "eu falhei em tudo que tentei fazer". A medicação que Nick tomava provocou mudanças em seu comportamento, brigou com Joe Boyd. 

Em julho de 1974, Nick procurou Boyd dizendo que tinha algumas canções para gravar. Essas canções viriam a ser seu quarto álbum, mas ele desistiu das gravações e não teve tempo de retomá-las. Esta sessão inicial foi seguida por outras, em julho. Em autobiografia, o produtor lembrou-as como a demonstração de raiva e amargura: "Ele falou que eu havia dito que ele era um gênio e todos concordavam, porque então ele não era famoso e rico".. Boyd e Wood haviam notado uma visível deterioração na performance de Nick. De acordo com Boyd: "Foi muito apático, foi realmente assustador. Foi assim … ele estava em tão mau estado que não podia cantar e tocar violão ao mesmo tempo. Foi tudo em um dia, começou na parte da tarde e terminou à meia-noite, com apenas quatro faixas gravadas". Contudo, o regresso ao estúdio animou Drake; sua mãe mais tarde recordou", Ficamos absolutamente encantados, Nick estava feliz, algo incomum na sua vida nos últimos anos". 

A polêmica morte.

Até o outono de 1974, permaneceu em contato com apenas alguns amigos íntimos. Ele havia tentado contactar Sophia Ryde, a quem ele havia encontrado pela primeira vez em Londres, em 1968. Ryde relatou em uma das biografias de Nick, ter sido "seu relacionamento mais próximo" com uma namorada, porém, ela agora prefere a designação de "melhor amiga". Numa entrevista 2005, Ryde revelou que ele morreu uma semana depois de ela tê-lo procurado para pôr fim ao relacionamento: "Eu não podia lidar com ele, perguntei-lhe por algum tempo, depois nunca o vi novamente". Tal como aconteceu com Linda Thompson, a relação amorosa com Ryde nunca foi consumada. 

Depois de ter passado a tarde visitando um amigo, havia dormido cedo na noite anterior a sua morte. A certa hora da madrugada ele deixou o seu quarto para ir à cozinha, sua família recorda que ele fazia isso inúmeras vezes. Ele retornou ao seu quarto um pouco mais tarde e tomou alguns comprimidos para "ajudar a dormir", frequentemente tinha dificuldade em adormecer e estava habituado a manter a dosagem do medicamento. Por conta da dificuldade em adormecer, muitas vezes ficava até altas horas da noite tocando e escutando música, em seguida dormia em boa parte da manhã. Recordando os acontecimentos dessa noite, sua mãe mais tarde declarou: "Eu nunca perturbava o sono de ninguém. Mas era cerca de meio-dia, e eu fui, porque ele realmente parecia estar dormindo há muito tempo…". Ela relembrou que Nick ocupava toda a cama por conta de sua estatura, e que a primeira coisa que observou foram "suas longas pernas… a sua longa perna". 

Não houve nota de suicídio, porém, uma carta dirigida a Sophia Ryde, a possível namorada. Nela, Molly leu apenas o versos "Now we rise, and we are everywhere", retirados da canção "From the Morning", do álbum Pink Moon. No inquérito de morte, o investigador notificou "intoxicação aguda de amitriptilina auto-administrada quando sofria de uma doença depressiva", e concluiu o veredicto como suicídio, fato contestado por alguns membros de sua família. No entanto, existe uma opinião geral de que, acidental ou não, Drake tinha a noção de ter exercido sua função no mundo. 

Rodney descreveu a morte do filho como inesperada; todavia, em uma entrevista de 1979, ele admitiu que "sempre foi preocupado com a depressão de Nick. Nos acostumamos a esconder pílulas e medicamentos em geral em nossa casa". Boyd prefere acreditar que a sobredosagem foi acidental. Ele lembrou que os pais de Nick Drake haviam descrito o seu bom humor na semana anterior, e que havia planejado voltar a Londres para reiniciar a sua carreira musical.. Gabrielle Drake, figura importantíssima pela ascensão póstuma do irmão, declarou que prefere acreditar que Nick decidiu "acabar com tudo aquilo de uma vez", para evitar suposições sobre a morte, o que ofuscaria a discussão sobre a obra musical em si.. 

Em 2 de dezembro de 1974, depois de uma cerimônia na Igreja de St Mary Magdalene, Tanworth-in-Arden, Drake foi cremado no Solihull Crematorium e suas cinzas depois enterradas sob um carvalho adjacente ao cemitério de St Mary's. O funeral foi assistido por cerca de cinquenta pessoas, incluindo amigos de Marlborough, Aix, Cambridge, Londres, Witchseason, e Tanworth. Brian Wells, referindo-se posteriormente ao gênio de Nick, constatou que muitos de seus amigos reuniram-se mutuamente pela primeira vez naquela manhã. Molly recordou "um grupo de jovens amigos ali, mas não os conhecia". 

Estilo musical.

Drake foi um obsessivo na prática com o violão, tocava até a madrugada, experimentava afinações e compunha. Sua mãe lembra: "Eu acho que ele escreveu suas mais bonitas melodias nas primeiras horas da manhã. Em muitas canções ele acrescenta acentos dissonantes através de afinações exóticas, o estilo é alcançado graças aos uso de clustes. 

Estudou Literatura Inglesa, enquanto em Cambridge, especialmente as obras de William Blake, William Butler Yeats e Henry Vaughan, embora suas letras não invoquem metáforas típicas de tais influências. Em vez disso, Drake emprega uma série de elementos retirados da natureza. A lua, as estrelas, mar, chuva, árvores, céu, névoa e estações do ano são todas comumente usadas, em parte influenciada pela educação rural. Características outonais são utilizadas para transmitir sentimentos de perda e tristeza. No entanto, Drake escreve com desprendimento, mais do que como um observador, de um ponto de vista descrito pela revista Rolling Stone "como se ele fosse ver a sua vida de uma grande, inultrapassável distância". Esta percepção de incapacidade social gerou especulações sobre sua sexualidade. 

Boyd disse que detecta uma virginal qualidade na sua letra e música, e faz notar que nunca observa ou ouve do cantor um comportamento sexual, seja masculino ou feminino. Kirby descreve suas letras como uma "série extremamente vívida, completa observações, quase como uma série de provérbios", ele dúvida que Nick quisesse ser um poeta. Em vez disso, ele acredita que criou tais letras para complementar o clima da melodia em primeiro lugar. Algumas séries que utilizaram canções de Drake foram Young Americans, Opposite Sex, The Boys of 2nd Street Park, My Name is Earl e Flash Forward. Texto: Wikipédia. 

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro


Bitrate: 320Kbps.

Álbuns.

Five Leaves Left (1969)
 
01. Time Has Told Me
02. River Man
03. Three Hours
04. Way to Blue
05. Day is Done
06. Cello Song
07. The Thoughts of Mary Jane
08. Man in a Shed
09. Fruit Tree
10. Saturday Sun


Bryter Layter (1970)
 
01. Introduction
02. Hazey Jane II
03. At the Chime of a City Clock
04. One of These Things First
05. Hazey Jane I
06. Bryter Layter
07. Fly
08. Poor Boy
09. Northern Sky
10. Sunday


Pink Moon (1972)
 
01. Pink Moon
02. Place to Be
03. Road
04. Which Will
05. Horn
06. Things Behind the Sun
07. Know
08. Parasite
09. Free Ride
10. Harvest Breed
11. From the Morning


Algumas Coletâneas.

Way To Blue: An Introduction to Nick Drake (1994)
 
01. Cello Song
02. Hazey Jane I
03. Way To Blue
04. Things Behind The Sun
05. River Man
06. Poor Boy
07. Time Of No Reply
08. From The Morning
09. One Of These Things First
10. Northern Sky
11. Which Will
12. Hazey Jane II
13. Time Has Told Me
14. Pink Moon
15. Black Eyed Dog
16. Fruit Tree


Family Tree (2007)
 
01. Come In To The Garden (Introduction)
02. They're Leaving Me Behind
03. Time Piece
04. Poor Mum
05. Winter Is Gone
06. All My Trials
07. Kegelstatt Trio
08. Strolling Down The Highway
09. Paddling In Rushmere
10. Cocaine Blues
11. Blossom
12. Been Smokin’ Too Long
13. Black Mountain Blues
14. Tomorrow Is A Long Time
15. If You Leave Me
16. Here Come The Blues
17. Sketch 1
18. Blues Run The Game
19. My Baby So Sweet
20. Milk And Honey
21. Kimbie
22. Bird Flew By
23. Rain
24. Strange Meeting II
25. Day Is Done
26. Come Into The Garden
27. Way To Blue
28. Do You Ever Remember?


Fruit Tree, 1979 (Japan SHM-CD 2007)
 
CD 1: Five Leaves Left.

01. Time Has Told Me
02. River Man
03. Three Hours
04. Way To Blue
05. Day Is Done
06. Cello Song
07. The Thoughts Of Mary Jane
08. Man In A Shed
09. Fruit Tree
10. Saturday Sun

CD 2: Bryter Later. 

01. Introduction
02. Hazy Jane Ii
03. At The Chime Of A City Clock
04. One Of These Things First
05. Hazey Jane I
06. Bryter Layter
07. Fly
08. Poor Boy
09. Northern Sky
10. Sunday

CD 3: Pink Moon. 

01. Pink Moon
02. Place To Be
03. Road
04. Which Will
05. Horn
06. Things Behind The Sun
07. Know
08. Parasite
09. Free Ride
10. Harvest Breed
11. From The Morning

Link Pt.1 > Pt.2.

Senha dos Arquivos: muro

Password Files: muro

E-mail de contato para links quebrados ou outros problemas: murodoclassicrock@gmail.com

Antes de comentar leia as regras que estão próximas do formulário, comentários desrespeitando as mesmas, não serão publicados e nem atendidos.

9 comentários :

  1. Cara, esse é um dos gênios da musica sentimental contemporânea. Um gênio que se tornou lenda. O trabalho dele é uma puta influência. HEHE! Já tinha os três primeiros álbuns, agora vou baixar essas coletâneas.
    Muitíssimo obrigado Alex ;))

    ResponderExcluir
  2. Jayme da costa Maceió AL30/12/15 15:05

    Muito obrigado Muro, não só por este maravilhoso post, mas por todos os posts do ano. Um Novo Ano Super Feliz.

    ResponderExcluir
  3. Legal, legal, legal! Nick Drake é uma figura ímpar. Difícil de achar. Valeu pela postagem. Aqui só tem coisa fina. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. poxa eu nao conhecia, baixei os tres primeiros, fiquei impressionado. muito muito bommm. Muro sempre trazendo otimas coisas, obrigado.

    ResponderExcluir
  5. Agradeço todas as suas postagens musicais e lhe desejo que o ano de 2016 seja pleno de saúde, paz e alegrias. Grande abraço. Beto ( de Niteroi).

    ResponderExcluir
  6. Prato cheio, pra quem curte Bob Dylan, Van Morrison, Donovan...

    ResponderExcluir
  7. Dia desses, perguntei ao Alex sobre esta discografia, pois havia perdido meus arquivos de mp3. Qual não foi minha surpresa, quando vi essas pérolas postadas no Muro. Alex sem pre à frente de qualquer outro blog. Parabéns, irmão !!!

    ResponderExcluir
  8. Só uma pessoa com sensibilidade musical que pode entender que o Rock tem suas variantes e Nick Drake é um Rockeiro impar.
    E Alex Sala é o Mestre Cuca dessa arte saborosa

    ResponderExcluir
  9. Thank you so, so much for this beautiful post. I truly believe that Nick Drake could have been the future of music if he'd lived. The only artist that I've ever heard since his death who could come close to him was Elliott Smith. It's such a tragedy that so many of our greatest artists seem to die young -- Nick, Tim & Jeff Buckley, Jimi, Janis. We lose far too many people who should still be alive and creating great music.

    ResponderExcluir

Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.