Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

13 de abril de 2019

Wobbler - Discografia.

No distante país chamado Noruega, existe um lugar conhecido como Honefoss. E foi nesta idílica cidadezinha, terra de belíssimas cachoeiras, que na primavera de 1999, cinco amigos com a mesma ideia flamejando em suas mentes se uniram para formar uma banda. Assim nascia o Wobbler, com o objetivo de, segundo eles, (re)criar toda aquela atmosfera mágica que o Rock Progressivo fomentou em seu alvorecer - no final dos anos 60, começo dos 70. 

Depois de meses trabalhando algumas ideias (o que resultou na demo que seria o embrião do primeiro álbum), eles decidiram dar um tempo, pois perceberam que não possuíam recursos à altura do objetivo desejado. Porém, para não deixar todo o trabalho realizado no limbo, resolveram jogá-lo na internet, fazendo assim uma espécie de campanha viral de auto divulgação, uma decisão que se mostrou mais do que acertada, resultando em um contrato com o selo americano The Laser’s Edge. 

Então, em 2005, com muita influência do passado (de bandas como King Crimson, Gentle Giant, PFM - Premiata Forneria Marconi, Genesis e YES) e alguma inspiração mais recente (como os suecos Änglagård e Anekdoten), se utilizando de instrumentos de época e poucas ferramentas modernas de gravação, os noruegueses lançaram “Hinterland”, seu primeiro registro de estúdio. 

O segundo trabalho da banda, “Afterglow”, só viria quatro anos depois, em 2009, desta vez pela Termo Records, um pequeno selo independente norueguês. 

O Wobbler chega à seu terceiro trabalho mostrando que adquiriu maturidade, se desprendendo parcialmente do simples rótulo de “banda homenagem”. Muito dessa sensação de emancipação musical se deve a incidência mais frequente de linhas vocais onde anteriormente predominava o instrumental. Para isso, o vocalista Andreas Prestmo foi escolhido para integrar o line-up, substituindo o menos efetivo Tony Johannesson. 

Em “Rites At Dawn” (2011) toda uma temática filosófica é destilada em um clima “folklórico” (de fadas, bruxas e florestas), através de uma pegada extremamente vintage (sem adições digitais), construída pelo aparato analógico do tecladista Lars Fredrik Frøislie (White Willow), pelas cordas elétricas/acústicas do guitarrista Morten Andreas Eriksen, pelo baixo de Kristian Karl Hultgren e a percussão do baterista Martin Nordrum Kneppen. Os arranjos ainda possuem, além de instrumentos de corda em geral, sopros e instrumentação barroca. 

Se comparado à seus antecessores, que possuem uma atmosfera digamos, mais dark (ameaçadora) e uma estrutura instrumental apoiada em canções longas e complexas, este, que é o mais recente disco dos caras, apresenta uma dinâmica mais leve e composições menos intrincadas - mas não menos trabalhadas. 

Apesar de influenciados por prog mais moderno escandinavo, à Anglagard ou Anekdoten, os noruegueses sempre tiraram sua força muito mais da safra prog clássica inglesa e italiana, como atesta magistralmente seu quarto álbum, From Silence to Somewhere, lançado dia 20 de outubro, de 2017. Texto: Willian Blackwell (Whiplash).  

Integrantes.

Atuais.

Kristian Karl Hultgren (Baixo, Clarinete, Gravador de Baixo, desde 1999)
Lars Fredrik Frøislie (Teclados, Backing Vocals, desde 1999)
Martin Nordrum Kneppen (Bateria, Percussão, Gravador, desde 1999)
Andreas Wettergreen Strømman Prestmo (Vocal Principal, Guitarra, Glockenspiel, Percussão, desde 2009)
Geir Marius Bergom Halleland (Guitarra e Backing Vocals, desde 2011)


Ex - Integrantes.

Morten Andreas Eriksen (Guitarra, Bandolim, Tamborim, Kazoo, 1999-2011)
Tony Johannessen (Vocal Principal, 1999-2009)




Hinterland (2005)
01. Serenade For 1652 (0:44)
02. Hinterland (27:33)
03. Rubato Industry (12:42)
04. Clair Obscur (15:41)



Afterglow (2009)
01. The Haywain (0:55)
02. Imperial Winter White (15:04)
03. Interlude (2:37)
04. In Taberna (13:09)
05. Armoury (3:00)



Rites At Dawn (2011)
01. Ludic (1:41
02. La Bealtaine (7:53)
03. In Orbit (12:30)
04. This Past Presence (6:09)
05. A Faerie's Play (5:16)
06. The River (10:04)
07. Lucid Dreams (2:21)



From Silence To Somewhere (2017)
01. From Silence To Somewhere (20:59)
02. Rendered in Shades of Green (2:05)
03. Fermented Hours (10:10)
04. Foxlight (13:19)




Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.