'/> Muro do Classic Rock: Quartz - Discografia.
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

27 de março de 2020

Quartz - Discografia.

O Quartz surgiu em Birmingham, Inglaterra (berço do Rock pauleira inglês) e se juntou ao movimento da New Wave Of British Heavy Metal, no final dos anos 70, para se tornar mais uma daquelas incríveis promessas que não foram muito além. Com uma formação que incluiu Mike Hopkins (guitarrista amigo de John Bonham, baterista do Led Zeppelin) e Geoff Nichols (futuro tecladista do Black Sabbath), o Quartz foi criado com o nome de "Bandy Legs", mas trocou para Quartz quando a gravadora Jet Records demonstrou interesse neles (completavam a banda o vocalista Mike Taylor, Derek Arnold no baixo e Malcolm Cope na bateria). Eles assinaram um contrato com o selo e entraram em turnê com o AC/DC e com o Sabbath, isto antes mesmo de gravarem o primeiro álbum. 

Esta turnê acabou sendo altamente frutífera para a banda já que nela eles ganharam um "tour manager" (Albert Chapman, do Sabbath) e um grande fã, o guitarrista Tony Iommi, que assumiu as tarefas de produção do álbum de estreia do Quartz (inclusive trazendo Brian May, do Queen, para tocar guitarra nas sessões de gravações). 

O disco "Quartz", lançado em 77, era um monte de contradições (que confundiram a cabeça tanto de metaleiros como de roqueiros em geral). Por um lado, o ouvinte se deparava com letras adocicadas e singles delicados e acústicos como "Sugar Rain" (que lembrava até Yes) e "Little Old Lady" (mais Slade, que fechava o álbum). Por outro lado, havia uma ofensiva metaleira completa como em "Pleasure Seekers" (sensacional) e na colossal faixa de abertura "Mainline Riders" (melhor do disco). Mesmo assim, foi um marco para a época: a marcha inexorável e a assinatura da linha de baixo desta última eram tão inesquecíveis que ambas depois seriam ressuscitadas (com pequenas alterações) no épico "Heaven And Hell", do próprio Sabbath (na era Dio). 

Havia sim coisas menos ambíguas como os poderosos Hard Rocks de "Street Fighting Lady" (um clássico) e "Devil's Brew" (com um excelente sintetizador a cargo de Nicholls), ambos com atitude metálica. Entretanto, essas ótimas faixas tinham o impacto relativizado pelo material de inflexão Pop que as rodeava. Claro que com um repertório assim tão esquizofrênico eles só poderiam mesmo entrar em disputas internas, o que acabou agravado quando a gravadora quebrou logo após o lançamento do disco. A faixa "Circles", que apareceu como lado B do single "Stoking The Fires Of Hell" tinha Brian May e Ozzy nos backing vocals. Altamente promissor, o Quartz seria apontado como figura emergente na nova cena, ao lado de gente como o Diamond Head e o Def Leppard. Foram descritos como uma das primeiras bandas a fazer Heavy Metal rápido e sem complicações. Eles tocaram no Reading Festival (na realidade, eles estiveram lá por três vezes, em 76, em 77 e em 80), excursionaram com bandas maiores da época (como Iron Maiden, Saxon, UFO e Rush). 

O Quartz permaneceu relevante com o lançamento de um álbum ao vivo, "Live", em 79. Com apenas sete canções, este segundo lançamento oficial acabou sendo uma espécie de elo de ligação entre a banda mais Hard Rock da estreia para a que reapareceria, no ano seguinte, totalmente imersa na NWOBHM). Alternativamente conhecido como "Count Dracula And Other Love Songs", o disco combinou destaques da estreia (como "Street Fighting Lady", "Around And Around" e a fuderosa "Mainline Riders") com repertório mais voltado ao Hard Blues Rock e alguns covers ("Roll Over Beethoven", de Chuck Berry, e "Good Times", dos The Easybeats) bem pesados. Por outro lado, com uma atmosfera bem mais metálica, o épico cheio de improvisações "Count Dracula" provava que o Quartz (especialmente o guitar-hero Mick Hopkins) não eram só promessa, mas podiam mesmo detonar tudo. A qualidade da gravação não era uma maravilha e havia o famigerado efeito "fading out" em algumas faixas (o que, cá entre nós, é horrível em discos ao vivo), mas era uma fotografia honesta daquele momento da banda e as performances eram incendiárias. 

Ainda em 1979, Geoff Nicholls abandonaria o barco para se juntar ao Black Sabbath (ele contribuiu com teclados e composições no histórico álbum "Heaven And Hell"). O segundo álbum de estúdio, "Stand Up And Fight" surgiria, então, em 1980. Era claramente uma tentativa planejada da banda de aproveitar a onda da NWOBHM para reenergizar a carreira. Por isso, dos títulos das canções ("Revenge", "Stoking The Fires Of Hell") até a capa,  tudo ali havia sido engendrado para atrair a nova geração de jovens fãs de Rock (que não conheciam o que o Quartz havia feito até então). Bem, não deu tão certo (a parte da tentativa de atrair os garotos), embora o disco esteticamente não deixasse nada a dever aos melhores discos dos expoentes do movimento. Diversas faixas ("Rock'n'Roll Child", "Questions") estavam entre as melhores do Quartz (e também entre as mais pesadas e agressivas). 

Talvez, algo do estilo deles (meio lustroso) pudesse denunciar-lhes a idade (mostrando que vinham de uma geração anterior). Por outro lado, poucos álbuns na história conseguiram capturar tão bem o som de um gênero quanto "Stand Up And Fight", resumindo o que o Heavy Metal seria nos anos 80. Canções estruturadas em riffs pesados e impiedosos, base rítmica marcada (feito batida de martelo) e implacável, linhas de baixa acossadoras, trocas de tempo melódicas no meio das faixas (para aliviar o riff principal e permitir à banda voltar triunfante para o fechamento), um cantor que cantava como se seu cabelo estivesse em chamas... "Charlie Snow" (um hino ao consumo de cocaína), "Stokin' Up The Fires Of Hell" (um clássico deles) e "Wildfire" (uma tour de force inspirada na "Megalomania", do Sabbath). 

Enfim, Metal clássico numa época em que o Heavy Metal ainda não havia se estabelecido como gênero. Nessa fase, talvez apenas o Motörhead estivesse tocando tão agressivo e levando a música para essa direção. Desavisados podem até achar o disco bem Hard Rock, mas este nunca gozou da raiva pura e da selvageria vislumbrada aqui, na fundação do Heavy Metal. Mesmo sem sucesso, eles ainda lançariam um terceiro esforço, "Against All Odds", em 1983 (voltando ao Hard Rock e com outro cantor, Geoff Bate), antes de se separarem (o Quartz voltou em 2011 num show de reunião, em Brimingham, mas com um novo vocalista. Mike "Taffy" Taylor, o cantor original morreu no ano passado. Geoff Nicholls morreu em janeiro deste 2017). 

O Quartz foi reformado em 2011 com os integrantes que gravaram o debut, a menos do vocalista Mike Taylor, que foi substituído por David Garner (que foi vocalista da banda entre 1981 e 1982). Ainda na ativa, o Quartz relançou recentemente seu debut através da gravadora Back On Black Records, que afirma em sua publicidade que o Quartz é recomendado “para fãs de Budgie, Saxon, Rainbow, Witchfynde e Demon”. Fontes: Mural Cultural & Roadiemetal. 

Integrantes.

Atuais.

Mick Hopkins (Guitarra, desde 1974)
Derek Arnold (Baixo, 1974-1982, desde 2011)
Malcolm Cope (Bateria, 1974-1984, desde 2011)
David Garner (Vocais, 1982-1983, desde 2011)

Ex - Integrantes.

Mike "Taffy" Taylor (Vocais, 1974-1982, R.I.P 2016)
Geoff Nicholls (Guitarra, Teclados, 1974-1979, 2011-2017, R.I.P 2017)
Steve Mcloughlin (Baixo, 1982-1984)
Geoff Bate (Vocais, 1983-1984)



Quartz (1977)
01. Mainline Riders
02. Sugar Rain
03. Street Fighting Lady
04. Hustler
05. Devil's Brew
06. Smokie
07. Around & Around
08. Pleasure Seekers
09. Little Old Lady



Stand Up And Fight (1980)
01. Stand Up And Fight
02. Charlie Snow
03. Can't Say No To You
04. Revenge
05. Stoking Up The Fires Of Hell
06. Rock n' Roll Child
07. Questions
08. Wildfire
09. Circles (Bonus Track)



Against All Odds (1983)
01. Just Another Man
02. Madman
03. Too Hot To Handle
04. Hard Road
05. Tell Me Why
06. The Wake
07. Buried Alive
08. Silver Wheels
09. Love 'Em & Run
10. Avalon
11. (It's) Hell Livin' Without You



Resurrection (Coletânea 1996)
01. Good Times
02. Around and Around
03. Street Fighting Lady
04. Bird Man
05. Dracula
06. Mainline Rider
07. Born to Rock the Nation
08. Roll over Beethoven
09. Jailbait
10. Belinda
11. Nantucket Sleighride
12. Pleasure Seekers



Satan's Serenade: The Quartz Anthology (Coletânea 2004)
CD 1.

01. Mainline Riders
02. Sugar Rain
03. Street Fighting Lady
04. Hustler
05. Devil's Brew
06. Smokie
07. Around & Around
08. Pleasure Seekers
09. Little Old Lady
Bonus Tracks.
10. Satan's Serenade
11. Wildfire  (Original Non LP Version wGeoff Nicholls)
12. Can't Say No (Previously Unreleased)
13. I Can't Let Go (Previously Unreleased)
14. The Dealer (Previously Unreleased)
15. Circles (Previously Unreleased)
16. Nantucket Sleighride
17. Back In The Band (Previously Unreleased)

CD 2.

01. Street Fighting Lady
02. Goodtime Tonight
03. Mainline Rider
04. Belinda
05. Birdman
06. Around & Around
07. Roll Over Beethoven
08. Count Dracula
09. The Hustler
10. Born To Rock The Nation
11. Jailbait
12. Nantucket Sleighride
13. Pleasure Seekers
14. Circles
15. Walking on Holy Water
16. Bloody Fool



Too Hot To Handle (2015)
01. Too Hot To Handle
02. Crack The Sky
03. Hard Road
04. Just Another Man
05. Silver Wheels
06. Frontline
07. Love ‘em & Run
08. Madman
09. Buried Alive
10. The Lawman
11. Tell Me Why
12. Revelation
13. Avalon
14. Right Above Myself
15. Gold Digger
16. It’s Hell Livin’ Without You



Fear No Evil (2016)
01. Fear No Evil
02. Rock Bottom
03. Stalker
04. Rapture
05. Zombie Resurrection
06. Barren Land
07. Walkin' on Holy Water
08. Dangerous Game
09. Born to Rock the Nation
10. Riot in the City
11. Dead Man's World
12. Scream at the Devil




Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.

Um comentário :

  1. À découvrir, bon groupe de hard/heavy metal britanique. Et ne pas oublier de remercier Alex: merci Alex !

    Para descobrir, um bom grupo de hard / heavy metal britânico. E não se esqueça de agradecer a Alex: obrigado Alex!

    ResponderExcluir

Todos comentários aparecem após a aprovação, portanto aguarde a moderação do seu comentário sem precisar repeti - ló várias vezes.

Perguntas, avisos ou problemas no blog, serão atendidos somente através do e-mail: murodoclassicrock@gmail.com

Quem insistir em escrever nos comentários será ignorado e o problema não será corrigido.

Por vários motivos esse Blog não atende pedidos de discografias, e-mails ignorando este aviso serão marcados como Spam.

Links alheios não serão permitidos.

Respeite os gostos e opiniões alheias, críticas, ofensas e discussões com palavras de baixo calão não serão permitidas.